20 de agosto de 2017

Jesus - primeiro criado ou primeiro gerado? Como entender o significado de primogênito de toda criação em Cl 1.15.

INTRODUÇÃO

Um dos argumentos mais usados entre os Arianos em geral é o de que Jesus é a primeira criação de Deus. Assim sendo, Jesus não seria eterno como o Pai, mas sendo uma criatura, não podia ser Deus, mas apenas "um deus" menor, ou seja, ele seria divino, mas não seria o mesmo Deus que o Pai. Nesse artigo iremos explicar a diferença entre criado e gerado, onde isso se aplica dentro das Escrituras e como isso se relaciona com a palavra primogênito, portanto, explicaremos o sentido claro, profundo e amplo das Escrituras ao chamar Jesus de "primogênito da Criação".

RACIOCÍNIO ARIANO 

Arianos em geral, como Testemunhas de Jeová e judeus messiânicos e outras seitas cristãs usam o versículo abaixo como prova de que Cristo é o primeiro a ser criado: 


"O qual é imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação" Cl 1.15

Para eles, a palavra primogênito significa o primeiro filho e portanto o primeiro a ser criado, assim, se Jesus é o primogênito da criação, necessariamente ele seria o primeiro a ser criado.

ENTENDENDO A PRIMOGENITURA DE JESUS A PARTIR DAS ESCRITURAS

O raciocínio não é falacioso, pois não comete erros lógicos, no entanto, o raciocínio é equivocado porque está alicerçado em bases instáveis, essa instabilidade se dar pelo entendimento errado do sentido do versículo e da própria palavra quando ela é analisada no sentido mais profundo a partir de um contexto amplo das Escrituras.

Em Jo 1.1 diz que “no princípio era o Verbo, o Verbo estava com Deus e o Verbo era Deus”
Essa era a situação do Verbo antes da encarnação, a eternidade, um Verbo que era Deus por ser igual a Deus. “Era” aqui não significa passado, mas significa que continua sendo. Esse verbo se fez carne:

 “ E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do Unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade” Jo 1.14

Notem que a encarnação está diretamente associada ao “monogenes” ou seja, ao Unigênito do Pai, porque é nesse momento que o Verbo passa a ser o Filho. Quando o Verbo passa a ser Filho ele recebe o nome Jesus:

“Ela dará à luz um filho, e você deverá dar-lhe o nome de Jesus, porque ele salvará o seu povo dos seus pecados" Mt 1.21

Antes disso, ele não era Jesus, ele era o Verbo, igual em natureza e em ofício ao Pai e ao ES. Para se tornar filho Jesus teve que ser GERADO em Maria pelo Espírito Santo:

"Mas depois de ter pensado nisso, apareceu-lhe um anjo do Senhor em sonho e disse: 'José, filho de Davi, não tema receber Maria como esposa, pois o que nela foi GERADO procede do Espírito Santo" Mt 1.20

“O anjo respondeu: "O Espírito Santo virá sobre você, e o poder do Altíssimo a cobrirá com a sua sombra. Assim, aquele que há de nascer será chamado santo, Filho de Deus.”
Lucas 1:35

Notem que ele será chamado Santo, Filho de Deus, isso só acontece na encarnação e só no Batismo é que o Pai o chama de “meu Filho”.

“Então houve uma voz vinda dos céus: “Tu és o meu Filho amado; em ti muito me agrado.” Mc 1.11

Os arianos têm erroneamente interpretado que Unigênito se refere ao estado eterno do Verbo, uma criação na eternidade, quando na verdade isso é impossível, já que o verbo só passou a ser Jesus e filho na encarnação, portanto, não se refere a uma criação na eternidade, mas na geração do Filho através da encarnação. Nessa ocasião, o Verbo assumia a posição de filho, que ele não tinha antes, portanto menor que o Pai em ofício, mas igual em ontologia. Jesus encarnado tinha um Deus sobre ele, o Pai. Jesus é o “unigênito” do Pai. Unigênito vem da palavra grega “monogenes” que significa “único tipo”, (STRONG 3441 e 1085), porque ele foi o único humano gerado por Deus em que habitava nele toda a plenitude da divindade, em outras palavras, Jesus era um tipo único de Ser, não há nada igual a ele nessa Terra, por isso mesmo único tipo.

Notem agora o que diz o escritor de Hebreus no capítulo 1, confirmando tudo que já fora dito até agora, o versículo estará em azul, e o meu comentário em negro:

“Porque, a qual dos anjos disse jamais: Tu és meu Filho, Hoje te GEREI? E outra vez: Eu lhe serei por Pai, E ele me será por Filho?” (Aqui está a falar da geração do corpo carnal de Cristo em Maria pelo ES)

“E outra vez, quando introduz no mundo o primogênito, diz: E todos os anjos de Deus o adorem.” (Depois da geração, tem a vinda do primogênito ao mundo, seu nascimento. A título de primogênito, além de significar excelência, é também porque Jesus é o primeiro filho de Deus, para que os outros por adoção se tornem também filhos através dele (Jo 1.12), sendo Jesus Unigênito e primogênito, por ser de um único tipo e o primeiro a ser filho na criação, por isso mesmo ele é o primogênito da criação. Como Paulo diz em Romanos 8.29: “Porquanto aos que de antemão conheceu, também os predestinou para serem conformes a imagem do Filho, a fim de que ele SEJA O PRIMOGÊNITO ENTRE MUITOS IRMÃOS”

“E, quanto aos anjos, diz: Faz dos seus anjos espíritos, E de seus ministros labareda de fogo.
Mas, do Filho, diz: Ó Deus, o teu trono subsiste pelos séculos dos séculos; Cetro de eqüidade é o cetro do teu reino.” (Aqui temos o Verbo na situação de filho, situação essa que permanecerá até a consumação dos tempos, olha só o que o texto de Jo 17.5: “E, agora, glorifica-me tu, ó Pai, junto de ti mesmo, com aquela glória que tinha contigo ANTES QUE O MUNDO EXISTISSE” Note que Jesus, segundo esse texto e o texto de Filipenses 2, claramente estava em uma situação de submissão voluntária, ainda sendo igual ao Pai em ontologia, mas menor do que o Pai em glória, em ofício.

"Amaste a justiça e odiaste a iniqüidade; por isso Deus, o teu Deus, te ungiu Com óleo de alegria mais do que a teus companheiros". (Aqui é o batismo, onde o Filho é ungido com óleo (Espírito Santo).
Hebreus 1:5-9

O autor de Hebreus nos mostra claramente que a geração do Filho está associada a sua encarnação e que o fato de Jesus ter um Deus se refere ao seu ministério, por isso diz: por isso (por isso o que? “Isso” se refere ao seu estado encarnado, foi ao “introduzir o primogênito no mundo” vers 7, portanto “Deus o teu Deus”) Deus, o teu Deus, te ungiu Com óleo de alegria.

Então Jesus foi gerado, mas nunca foi criado. O Verbo nunca foi gerado nem criado, apenas Jesus, que é o Verbo encarnado é que foi gerado. “Porque, a qual dos anjos disse jamais: Tu és meu Filho, Hoje te gerei? E outra vez: Eu lhe serei por Pai, E ele me será por Filho?” Hb 1.5
Assim Jesus é o primogênito dos Filhos de Deus! Como Romanos 8.29: “Porquanto aos que de antemão conheceu, também os predestinou para serem conformas a imagem do Filho, a fim de que ele SEJA O PRIMOGÊNITO ENTRE MUITOS IRMÃOS”

Mas a pergunta que pode ser feita é: Mas o texto de Colossenses 1.15 diz que ele foi o primogênito de toda criação, ou seja de tudo! Isso é fácil de explicar através da representatividade. Lembremos que o Homem é o representante da criação inteira, seja dos planetas, estrelas, plantas, animais etc. 

Provamos isso com o argumento de que Adão, quando caiu, não só o ele foi atingido, mas a criação inteira, a morte se espalhou para o Universo inteiro. Assim, Cristo sendo o segundo Adão, toda a criação foi reconciliada com Ele, e por isso ele é o primogênito de toda criação, pois o primeiro dos Filhos de Deus, nos tornará filhos pro adoção (Jo 1.12) e reconciliará não só o Homem, mas a criação inteira. Paulo fala isso, no mesmo contexto em que ele fala que Jesus é o primogênito de toda criação, no versículo 20 ele diz:

“e por meio dele reconciliasse consigo todas as coisas, tanto as que estão na terra quanto as que estão no céu, estabelecendo a paz pelo seu sangue derramado na cruz.
Antes vocês estavam separados de Deus e, em suas mentes, eram inimigos por causa do mau procedimento de vocês.”

Colossenses 1:20,21

Notem como Paulo atrela a primogenitura diretamente a reconciliação da criação com Deus, isso através do processo do sacrifício, que foi seu sangue derramado, que é justamente o que nos torna filhos de Deus e Jesus o primeiro dos Filhos, sendo ele o primogênito de toda criação.

Outro argumento a favor da representatividade, é que Jesus manda pregar o evangelho a toda criatura: 
“E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura;.” Mc 16.15


Nós pregamos aos animais brutos, como baleia, sapo, cavalo etc? Não, somente ao Homem, porque esse representa toda a criatura, de forma que se este for reconciliado com Deus, não só toda a criatura, mas toda a criação será reconciliada, em Cristo, que é o cabeça, o primeiro e o primogênito dos Filhos. 

MAIS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES

Jesus só volta a ser o Verbo, com toda a glória de antes, quando completar a sua obra, e isso só acontecerá na consumação dos séculos. Como está escrito:


"Depois, virá o fim, quando entregar o Reino a Deus, ao Pai, depois de haver destruído todo principado, toda potestade e toda dominação.
Porque é necessário que ele reine, até que ponha todos os inimigos debaixo de seus pés.
O último inimigo a derrotar será a morte, porque Deus sujeitou tudo debaixo dos seus pés.
Mas, quando ele disser que tudo lhe está sujeito, claro é que se excetua aquele que lhe sujeitou todas as coisas.
E, quando tudo lhe estiver sujeito, então também o próprio Filho renderá homenagem àquele que lhe sujeitou todas as coisas, a fim de que Deus seja tudo em todos."


1 Coríntios 15:24-28

Só aqui, na ocasião acima, é que Jesus receberá de volta tudo que ele se esvaziou, até lá, Deus ainda terá um Deus, porque é Filho e está no ofício de Filho e portanto em ofício, menor que o Pai, mas ontologicamente sempre igual a Ele. Os unicistas erram ao não entender que Jesus não recebeu tudo de volta, ela ainda continua seu ministério, por isso, usam versículos em que Jesus chamam o Pai de Deus, ou meu Deus, para provar que Jesus mesmo glorificado tem um Deus e portanto não pode ser o mesmo Deus que o Pai, mas estão errados porque é uma compreensão errada de como se entender as escrituras e como os trinitaristas entendem as Escrituras, a saber, que Jesus só volta a ter a glória do Verbo, na consumação dos séculos.

CONCLUSÃO

Jesus foi gerado, mas nunca criado. O Verbo é eterno, mas Jesus encarnado foi gerado no tempo diretamente por Deus, sendo assim o unigênito, ou seja, o único tipo e o primeiro dos irmãos, ou seja, o primeiro dos filhos.

17 de agosto de 2017

As DESONESTIDADES da página "A Verdade é Lógica" - O significado de Elohim e Comentário de MacArthur


INTRODUÇÃO

A página a Verdade é Lógica, uma página Testemunha de Jeová que vive de zombar de cristãos trinitarianos, entrou em debate com o dono desse blog tem uns dias atrás. Quem quiser acompanhar o debate, acesse esse link: http://questoesultimas.blogspot.com.br/2017/08/refutando-pagina-verdade-e-logica-sao.html , que disponibilizará todos os textos do debate até agora.

Porém, diante das refutações que a página sofreu, ela pediu para que o debate parasse, você pode acompanhar esse incidente aqui: http://questoesultimas.blogspot.com.br/2017/08/o-desespero-das-testemunhas-de-jeova.html

Contraditoriamente ao que falaram, continuaram a oferecer respostas ao dono desse blog, só que de forma velada e indireta, para evitar o confronto direto. Ao verificar essas refutações, eu presenciei um show de horrores, fiquei pasmo com a capacidade de serem desonestos. Durante o debate isso ficou demonstrado várias vezes, mas agora, como eles perderam a força do debate, começaram a apelar de todas as formas. Vamos para elas e tirem suas próprias conclusões.

O SIGNIFICADO DA PALAVRA ELOHIM

Uma boa parte do debate girou em torno do significado dessa palavra. Eu disse que essa palavra significa anjos, deuses, juízes (magistrados) ou Deus. No entanto, eu nunca disse que essa palavra também não possa ser aplicada como sinônimo de poder, pois sempre defendi que anjos, homens e até pedaços de madeira podem ser CHAMADOS deuses (Elohim). Ou seja, eu defendo que a palavra possa ser aplicada, mas que também tenha vários significados.

Aí a página para me refutar usa a seguinte imagem do dicionário Strong de Hebraico comentado e escreve um textão raficando seu pensamento baseado em um texto recortado maliciosamente, só pode ter a mente cauterizada:


Esse dicionário, eu tenho ele em físico, então eu fui pesquisar e olha só o que eu achei logo após o texto que ele cortou:




 A parte azul foi a parte em que ele printou e deliberadamente cortou a parte em que diz que a palavra Elohin significa Deus, Juiz, deuses e anjos. Viram a DESONESTIDADE AÍ? A parte grifada de vermelho e roxo, é a parte com que Com qual intenção ele cortou a comentário justamente no local onde ele dizia que EU estava certo? O pior de tudo é escrever textão,para justificar sua posição mentirosa, fazendo parecer que eu menti no debate, é uma pena que os seguidores dessa página são enganados por eles.


Mas como se não bastasse, eles fizeram também outra declaração enganosa, cortando exatamente a parte onde lhes beneficiam. Fizeram um recorte do comentário Bíblico de Jhon Macarthur, recortando somente o que lhes interessava e descartando as partes que falavam contra a página, em uma clara manipulação de dados e distorção das palavras de Jhon Macarthur. Eles postaram o seguinte:


Primeiro que o texto não concorda com eles, a conclusão deles é um non sequitur, pois o texto é claro ao dizer que os seres humanos foram CHAMADOS  deuses, eles não eram deuses de fato, nem divinos seriam. Mesmo na primeira parte onde MacArthur parece concordar com eles, a palavra "deuses" está entre aspas, justamente para ressaltar que esses deuses não eram deuses de forma positiva, mas apenas chamados, como é coerentemente colocado na segunda parte do texto. Dizer que Jesus se fez igual a esses homens, sendo que Jesus é o Unigênito de Deus, ou seja, aquele "Único Tipo", aquele que ninguém é igual, fazer-se, igual à juízes corruptos em autoridade é pura insanidade. Mas não estamos aqui para tratar disso, mas para tratar das desonestidades da página.

Olha só o que o próprio Jhon MacArthur fala em seu comentário Bíblico sobre essa passagem:




Vejam que Jhon MacArthur jamais concordou com o que a página defende, sendo pura desonestidade usar uma parte recortada da obra dele para dizer que ele pensa igual aos Jeovistas.

CONCLUSÃO

Se eu correr atrás de toda desonestidade dessa página, não faria mais nada da vida. Deus tenha misericórdia daqueles que sequem essa página.

O Desespero das Testemunhas de Jeová - Fugindo com o rabo entre as pernas!

Quem está acompanhando o blog, presenciou um debate nos últimos dias entre Francisco Tourinho e a página "A Verdade é Lógica". A página A Verdade é Lógica, depois de refutada, foi até a minha página pedindo para que o debate parasse, é claro que ela fez isso de uma forma que ficasse por cima, falando o seguinte:



Olha só o que um leitor desse blog comentou em uma observação bem sensata. 


CONCLUSÃO

Essa página vive de zombar de trinitaristas e de outros cristãos, e agora querem passar de vítimas. Na próxima postagem eu mostrarei o show de desonestidades que eles estão protagonizando agora. Aguardem. Deus os abençoe.

16 de agosto de 2017

COM QUANTAS PESSOAS SE FAZ UM MONOTEÍSMO? CORRIGINDO OS ERROS AMADORES DAS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ


 INTRODUÇÃO

 Esse artigo refutação pretende mostrar não só que as Testemunhas de Jeová sequer sabem o que é Trindade, como corrigir seus erros quanto a demonstração da doutrina, como também mostrar seus erros quanto à aplicação das regras hermenêuticas (exegese) nas Escrituras.

O texto refutado pertence ao site Central de Defesa Bíblica, que na verdade é um site de defesa das doutrinas do Corpo Governante das Testemunhas de Jeová, não da Bíblia. O autor foi a página de facebook intitulada “A Verdade é Lógica”, sendo refutadas mais uma vez aqui na nossa página.

Se o leitor quiser aprender mais sobre como refutar as doutrinas Jeovistas à luz das Escrituras, eu sou Francisco Tourinho, e podem me adicionar no facebook para batermos um papo.

As partes em vermelho representam as falas do “A Verdade é Lógica” publicadas no site citado acima. As partes em azul são versículos postados por mim ou citações que merecem a maior destaque, e em negro minhas respostas. No site há outras refutações a essa página, basta procurar no índice ao lado. Deus os abençoe.

CORRIGINDO ERROS AMADORES SOBRE A DOUTRINA DA TRINDADE

Trinitários tentam alegar ser monoteístas na justificativa de que eles creem em um só Deus, embora esse Deus seja composto de 3 pessoas. – Credo Atanasiano, 3.

Eles começam a errar aqui já. A doutrina da Trindade não diz que Deus é “composto” por três pessoas, isso é um erro amador de quem nunca ouviu falar em Trindade. Augustus Hopkins Strong, citando Park, define Trindade da seguinte forma:

“Por um lado a doutrina da Trindade não afirma que as três pessoas estão unidas numa pessoa, ou três seres num só ser, ou três deuses num só Deus (triteísmo); nem, por outro lado, que Deus simplesmente se manifesta de três diferentes modos (trindade modal, ou de manifestações); mas, em vez disso, que há três eternas distinções na substância de Deus” (STRONG, 2007, P. 534)

O segundo erro é justamente a má compreensão do credo de Antanásio, olha o que está escrito, do artigo 3 ao 15:

“3. Mas a fé universal é esta, que adoremos um único Deus em Trindade, e a Trindade em unidade. 4. Não confundindo as pessoas, nem dividindo a substância. 5. Porque a pessoa do Pai é uma, a do Filho é outra, e a do Espírito Santo outra. 6. Mas no Pai, no Filho e no Espírito Santo há uma mesma divindade, igual em glória e co-eterna majestade. 7. O que o Pai é, o mesmo é o Filho, e o Espírito Santo. 8. O Pai é não criado, o Filho é não criado, o Espírito Santo é não criado. 9. O Pai é ilimitado, o Filho é ilimitado, o Espírito Santo é ilimitado. 10. O Pai é eterno, o Filho é eterno, o Espírito Santo é eterno. 11. Contudo, não há três eternos, mas um eterno. 12. Portanto não há três (seres) não criados, nem três ilimitados, mas um não criado e um ilimitado. 13. Do mesmo modo, o Pai é onipotente, o Filho é onipotente, o Espírito Santo é onipotente. 14. Contudo, não há três onipotentes, mas um só onipotente. 15. Assim, o Pai é Deus, o Filho é Deus, o Espírito Santo é Deus. 16. Contudo, não há três Deuses, mas um só Deus.” (ANGLADA apud MONERGISMO.COM)

O credo de Atanásio não diz que Deus é composto por três pessoas como se Deus fosse a soma de três partes, mas como ressalta RN Champlin: “No trinitarianismo, fala-se da essência de Deus, como algo que está sujeito à distinção em três pessoas, mas sem qualquer divisão que permita a distinção em três pessoas diversas. Não há "três deuses", e nem meramente três modos de manifestação divina. Antes, todas as pessoas são co-extensivas, co-iguais e co-eternas.” (CHAMPLIN, S/D, p. 497)
Demonstrado o erro dessa primeira parte, continuemos.

Eles alegam que Deus é composto por 3 pessoas com funções diferentes, tipo um Shampoo 3 in 1. (Acredito que encontramos a melhor analogia para a Trindade. – Eles nunca a usarão para não passar vergonha, mas ficariam com cabelos tão sedosos)

Vocês não encontrarão analogia alguma para a Trindade, pois um shampoo 3 em 1 é uma mistura de três substâncias, e a Trindade não é a mistura de três deuses, nem a soma deles. Mais uma vez eles erram e estabelecem as bases erradas para construir sua tese, de forma que, como já destruímos a base, o restante da ideia já caiu. A questão é que não existem analogias para a Trindade, qualquer que seja a analogia que se faça, ela será imperfeita, pois Deus é incomparável, indescritível, é um conhecimento ainda não revelado totalmente, pois o apóstolo Paulo bem diz que em 1 Co 13.12:

“Porque agora vemos como por espelho, em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei plenamente, como também sou plenamente conhecido.”

O versículo acima é claro, nós não conhecemos a Deus completamente, vemos ele de forma embaçada, mas chegará um dia em que conheceremos como somos conhecidos, ou seja, veremos Deus da forma como Ele nos vê, isso basta para mim e é uma evidência clara de que a pessoa de Deus é de fato misteriosa para nós. Mas os Testemunhas de Jeová negam a isso, dizendo já conhecerem a Deus em sua forma plena, e zombam dos trinitarianos quando os mesmos dizem como Paulo, não conhecerem a Deus completamente.

        Porém segundo a Bíblia, quantas pessoas compõe o monoteísmo? Mono-teísmo é uma expressão derivada de duas palavras gregas: μόνος [mon’-os] – único; e θεός [theh’-os] – Deus. Essa expressão pode ser encontrada em 3 lugares no Novo Testamento, sendo que em 2 ocasiões quem a usou foi o próprio Senhor Jesus Cristo. – João 5:44; 17:3; Romanos 16:27.

Como as bases lançadas foram erradas, baseadas em falsos conceitos, então o restante da objeção é um show de erros. Na pergunta “quantas pessoas compõe o monoteísmo?”, ele sugere que os trinitarianos acreditam que Deus seja a soma de três pessoas, mas já vimos que isso não é verdade. A definição de Trindade pela academia, contempla somente um Deus (mono-theos), sendo assim monoteísmo. A pergunta também estabelece que “segundo a Bíblia”, quantas pessoas compõe o monoteísmo e cita expressões usadas somente no Novo Testamento em um determinado momento histórico em que Jesus se fazia menor que o Pai em uma submissão voluntária (Filipenses 2), e fazendo enganosamente os seus leitores pensarem que essas são as únicas passagens que implicam em monoteísmo na Bíblia.

Mas na bíblia encontramos por exemplo: "A ti te foi mostrado para que soubesses que o Senhor é Deus; nenhum outro há senão ele" (Dt 4:35). "Eu sou o Senhor, e não há outro; além de mim não há Deus..." (Is. 45:5). Essas são declarações monoteístas na Bíblia, não se reduzindo somente ao Novo Testamento.

Agora fiquem atentos ao seguinte argumento, que para mim é irrefutável e derruba todo o argumento Jeovista da página a Verdade é Lógica. Observem com atenção o versículo:

“Ouve, ó Israel; o Senhor nosso Deus é o único (echad) Senhor.” Dt 6.4

Esse versículo é um versículo na Bíblia que é indiscutivelmente monoteísta, mas atentem que a palavra “ÚNICO” é a palavra “echad” no hebraico. Essa palavra é a mesma usada em Gênesis 2:24, “deixa o homem pai e mãe, e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só [’echad] carne”. Aqui echad ou único é usada para designar a união de duas pessoas distintas. Notem que que o homem e a mulher não passaram a ser a mesma pessoa por se tornarem “única” (Echad) carne. Echad quer dizer (um), mas olha que curioso, ela significa que pode haver pluralidade na singularidade, pois o homem e mulher mesmo sendo distintos, são um (echad) quando se casam. Yachid é (um) no sentido de único sem pluralidade. Assim, Deus é chamado de Echad, que significa (um), mas com pessoas distintas, e o apóstolo Paulo sabia muito bem disso quando faz uma comparação entre a unidade de um casal e a unidade do Pai e o Filho. Vejam:

“3 Mas quero que saibais que Cristo é a cabeça de todo o homem, e o homem a cabeça da mulher; e Deus a cabeça de Cristo.” 1 co 11.3

Notem que o apóstolo Paulo diz que um casal (homem e mulher), que são um, pois são casados, pois o homem só é o cabeça de sua mulher, não de todas as mulheres, com a relação de Jesus com o Pai, que também são um.  Agora sigam comigo como a bíblia se encaixa:

1 – Echad é usado para dizer que homem e mulher são um.

2 – Echad é usado para dizer que Deus é único.

3 – Paulo compara a unidade de homem e mulher com a unidade do Pai e Jesus.

4 – Mesmo que homem e mulher sejam uma única carne, eles continuam sendo pessoas distintas, havendo uma pluralidade na singularidade.

5 – Logo, Echad, pela própria Biblia (e bíblia interpreta bíblia), significa unidade na pluralidade.

Vejam que o conceito bíblico de monoteísmo aceita uma pluralidade, desde que essa seja em  unidade, assim como o credo de Atanásio diz: “que adoremos um único Deus em Trindade, e a Trindade em unidade.”

Aí ele continua a argumentação citando os textos de João 5.44 e João 17.3 para provar que Jesus era monoteísta (chover no molhado), e que ele reconhecia como Deus único, até aí nada a discordar, mas temos que fazer algumas observações:

Segundo Jesus, o que é monoteísmo? Para Jesus, o monoteísmo é composto de apenas 1 única pessoa – o Pai.

JOÃO 5:44 – “Como vocês podem crer, se aceitam glória uns dos outros, mas não procuram a glória que vem do Deus (Theou – Θεοῦ) único (Monou – μόνου)?”
Jesus identifica esse como sendo o Pai no versículo anterior:
João 5:43  “Eu vim em nome de meu Pai…”
João 17:3 – “Esta é a vida eterna: que te conheçam, o único Deus (Monon Théon – μόνον Θεὸν) verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.”

Jesus estava e ainda hoje está, em uma situação de Filho. O que isso quer dizer? Que o Verbo, quando se fez carne, recebeu o nome Jesus (Mt 1.21) e passou a ser Filho de Deus, por ter sido gerado do Pai em Maria através do ES, com a geração veio a filiação (Lc 1.35). Só no batismo é que o Pai diz que o verbo encarnado é seu filho, por isso Jesus é o “unigênito” do Pai. Unigênito vem da palavra grega “monogenes” que significa “único tipo”, (STRONG 3441 e 1085), porque ele foi o único humano gerado por Deus em que habitava nele toda a plenitude da divindade, em outras palavras, Jesus era um tipo único de Ser, não há nada igual a ele nessa Terra, por isso mesmo único tipo. Jeovistas tem erroneamente interpretado que unigênito se refere ao estado eterno do Verbo, uma criação na eternidade, quando na verdade isso é impossível, já que o verbo só passou a ser Jesus e filho na encarnação, portanto, não se refere a uma criação na eternidade, mas na geração do Filho através da encarnação. Nessa ocasião, o Verbo assumia a posição de filho, que ele não tinha antes, portanto menor que o Pai em ofício, mas igual em ontologia. Jesus encarnado tinha um Deus sobre ele, o Pai.

E antes que algum Jeovista diga que eu estou falando asneiras, vou postar os versículos bíblicos que demonstram ser assim:

Porque, a qual dos anjos disse jamais: Tu és meu Filho, Hoje te gerei? E outra vez: Eu lhe serei por Pai, E ele me será por Filho? (Aqui está a falar da geração do corpo carnal de Cristo em Maria pelo ES)

E outra vez, quando introduz no mundo o primogênito, diz: E todos os anjos de Deus o adorem. (Depois da geração, tem a vinda do primogênito ao mundo, seu nascimento. A título de primogênito, além de significar excelência, é também porque Jesus é o primeiro filho de Deus, para que os outros por adoção se tornem também filhos através dele (Jo 1.12), sendo Jesus Unigênito e primogênito, por ser de um único tipo e o primeiro a ser filho na criação, por isso mesmo ele é o primogênito da criação. Como Paulo diz em Romanos 8.29: “Porquanto aos que de antemão conheceu, também os predestinou para serem conformas a imagem do Filho, a fim de que ele SEJA O PRIMOGÊNITO ENTRE MUITOS IRMÃOS”

E, quanto aos anjos, diz: Faz dos seus anjos espíritos, E de seus ministros labareda de fogo.
Mas, do Filho, diz: Ó Deus, o teu trono subsiste pelos séculos dos séculos; Cetro de eqüidade é o cetro do teu reino. (Aqui temos o Verbo na situação de filho, situação essa que permanecerá até a consumação dos tempos, olha só o que o texto de Jo 17.5: “E, agora, glorifica-me tu, ó Pai, junto de ti mesmo, com aquela glória que tinha contigo ANTES QUE O MUNDO EXISTISSE” Note que Jesus, segundo esse texto e o texto de Filipenses 2, mostra claramente que Jesus estava em uma situação de submissão voluntária, ainda sendo igual ao Pai em ontologia, mas menor do que o Pai em glória.

Amaste a justiça e odiaste a iniqüidade; por isso Deus, o teu Deus, te ungiu Com óleo de alegria mais do que a teus companheiros. (Aqui é o batismo, onde o Filho é ungido com óleo (ES).
Hebreus 1:5-9

Vejam que o texto de Hebreus trata do ministério de Jesus, tanto o terreno, como o de agora. Jesus ainda não recuperou sua glória anterior, quando ele era somente o Verbo, ele está na situação de filho e portanto inferior ao Pai em ofício, por isso mesmo em outros textos como em Apocalipse, vemos Jesus chamando o Pai de Deus ou “meu Deus”, isso está totalmente dentro do esperado.
Então usar esses versículos para reivindicar que só o Pai é Deus, por causa da posição de inferioridade do Filho, é desconhecer totalmente o plano da salvação através da organização de Deus para executar esse plano.

João 17:3 – “Esta é a vida eterna: que te conheçam, o único Deus (Monon Théon – μόνον Θεὸν) verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.”

O interessante aqui, é que dois versículos depois, Jesus esclarece que ele não estava com sua glória como quando era o Verbo, mas curiosamente, as Testemunhas de Jeová só enxergam o que lhes convém. Jo 17.5: “E, agora, glorifica-me tu, ó Pai, junto de ti mesmo, com aquela glória que tinha contigo ANTES QUE O MUNDO EXISTISSE

Que glória era essa? O livro do profeta Isaías, é sem dúvida o livro mais monoteísta da Bíblia, olha só o que ele diz de Javé:

“E acontecerá naquele dia que o resto de Israel, e os que tiverem escapado da casa de Jacó, nunca mais se estribarão sobre aquele que os feriu; antes se estribarão lealmente sobre o Senhor, o Santo de Israel.
Um resto voltará; sim, o resto de Jacó voltará para o DEUS FORTE
Isaías 10:20,21

Quem é o Deus Forte? Javé. Mas Isaías disse que não só Javé era o Deus Forte, mas que Jesus também era o Deus Forte.

6 Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; e o governo estará sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, DEUS FORTE, Pai Eterno, Príncipe da Paz. Is 9.6

Aí eu pergunto, Isaías sendo monoteísta, como ele poderia identificar Jesus como Deus forte e Javé como Deus forte? E não adianta dizer que isso não quer dizer que Jesus não é todo poderoso, porque se assim for a mesma conclusão se segue para o próprio Javé. Portanto, Jesus e Javé são o mesmo Deus, não há escapatória para o Jeovista. A glória que o Verbo tinha antes de ser Jesus, era essa, a de ser o Deus Forte, como Javé é Deus Forte.

“Interessante é o fato de que alguns trinitários dizem que Jesus fez isso por que ele estava encarnado, no entanto, o espírito santo não estava encarnado, e Jesus não o colocou como uma outra pessoa junto do Pai formando o monoteísmo.”

Jesus fala do ES na fórmula batismal, “Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo” Mt 28.19 E Paulo também o coloca aqui:  “A graça do Senhor Jesus Cristo, e o amor de Deus, e a comunhão do Espírito Santo seja com todos vós. Amém.” 2 Co 13.14

Seria uma afronta ao Pai, aparecer em pé de igualdade com o Filho e com uma força impessoal, se esses dois não compartilhasse de real igualdade com o Pai. Algo importante a se ressaltar, é que na cultura judaica somente PESSOAS TEM NOME, objetos tem designação. Assim, se o ES fosse uma força, nós não poderíamos nos batizar em NOME dele, pois não faz sentido ser batizado em nome de uma coisa, já que coisas não tem nome, mas designação, na cultura judaica. Uma cadeira, por exemplo, tem a designação de cadeira, ela não tem um nome próprio como João, Tiago etc; Assim era na cultura judaica, logo, a fórmula batismal refuta de vez o argumento Jeovista de que o ES não é uma pessoa.

        Os apóstolos entenderam isso perfeitamente e por isso entendiam que apenas o Pai formava Deus. Mesmo após Jesus já ter ascendido ao céu eles continuavam identificando apenas o Pai como Deus em sentido pleno. Nem o espírito santo, nem Jesus recebem esse título quando citados juntamente com o Pai. – 1 Timóteo 2:5; 1 Coríntios 8:6; Note Romanos 15:6; 1 Coríntios 1:3; Gálatas 1:3; Efésios 1:3; Filipenses 1:2; 2:11; Colossenses 1:3; 1 Tessalonicenses 1:1, 3; 2 Tessalonicenses 1:1, 2; 1 Timóteo 1:2; 2 Timóteo 1:2; Tito 1:4; Filemon 3; 1 Pedro 1:2, 3; 2 João 3; Judas 1; Apocalipse 1:6.

Isso acima é espantalho, pois como já foi explicado, a obra de Cristo ainda não terminou, só terminará quando ele colocar todos os inimigos debaixo dos seus pés. Assim, não interessa se Jesus voltou aos céus, ele continua no mesmo estado de submissão, por isso mesmo, o Pai é sempre tido como o Deus a ser adorado, e de fato é assim ensinado nas Igrejas trinitárias. Embora Jesus possa ser adorado, é o que diz Hb 1.6 (fazer paralelo com Sl 97.7 que se refere a Javé dizendo “protrai-vos diante dele todos os deuses”, a mesma ordem a dada a respeito de Jesus em Hb 1.6 – “que os anjos de Deus o adorem”, onde Cristo é claramente identificado com a mesma honra de Javé. As escrituras também dizem que devemos honrar a Cristo da mesma forma que honramos ao Pai, ou seja, se adoramos um, também podemos adorar ao outro. “a fim de que todos honrem o Filho EXATAMENTE como honram o Pai.” Jo 5.23, ainda assim é ensinado que devemos orar ao Pai, em nome do Filho, sendo o ES aquele quem deve conduzir a oração e interceder por nós quando não sabemos o que dizer, dessa forma oramos adequadamente, sabendo a forma como Deus se organizou para salvar a humanidade (Doutrina da Trindade econômica).

CONCLUSÃO

Os argumentos Jeovistas são baseados em espantalhos de uma má compreensão da doutrina da Trindade e de como Deus se organizou para salvar o seu povo (Doutrina da Trindade Econômica). A Trindade, como mostrada em várias fontes, é um Deus único, um Deus, uma unidade na pluralidade. Assim, sendo somente um Deus, logo, os trinitarianos são monoteístas. Cabe aos Jeovistas explicarem como o profeta Isaías chama o Filho de Deus Forte, assim como chama Javé, e como Jesus é "um deus", sem se tornarem politeístas. Ao trinitarista, esse problema é totalmente resolvido. 

REFERÊNCIAS

ANGLADA, P.  Sola Scriptura : A Doutrina Reformada das Escrituras. São Paulo: Os Puritanos, 1998, p 180-82 apud MONERGISMO.COM. Disponível em http://www.monergismo.com/textos/credos/credoatanasio.htm . Acesso em 16/08/17

CHAMPLIN, R.N. Enciclopédia de Bíblia Teologia e Filosofia. Hagnos. S/D.

STRONG, A.H. Teologia Sistemática. Ed Ver e Ampl. Vol 1. Ed Hagnos. 2007

14 de agosto de 2017

Refutando à Página A Verdade é Lógica: São Henoteístas sim, e fim de papo!

INTRODUÇÃO

Para o amado irmão que está começando a acompanhar agora esse debate, esse debate começou quando a página "A Verdade é Lógica", uma página pertencente à seita Testemunhas de Jeová, tentou oferecer uma resposta ao um artigo desse blog em que eu alego que eles são politeístas, mas precisamente, henoteístas. Esse foi o artigo:
http://questoesultimas.blogspot.com.br/2017/06/refutando-testemunhas-de-jeova-2-pasmem.html

Depois eles deram uma resposta ao primeiro artigo:

Eu ofereci uma refutação devida aqui nesse link:

No qual eles tentaram oferecer uma resposta aqui:

Esse artigo agora, é uma resposta ao último artigo deles, e provavelmente será o último, já que eles foram em minha página pedir para parar o debate, então, esse será o fechamento do debate. 

O meu texto está organizado com as citações deles em vermelho e as minhas em preto, as partes em azul são os versículos bíblicos, ou partes que eu queria destacar para melhor ficar identificado pelo leitor.

Para você que é curioso com a doutrina das Testemunhas de Jeová, e também querem aprender a refutar, meu nome é Francisco Tourinho, me procurem no facebook, acompanhem esse debate, e procurem os outros artigos do blog sobre o tema. Deus os abençoe. 

DESONESTIDADES E MAIS DESONESTIDADES: CAINDO AS MÁSCARAS

 Eu argumentei que todas que as referências do Novo Testamento (NT) a um único Deus (monoteísmo) que aparecem na bíblia são em referência única ao Pai. Qual foi a resposta de Tourinho? Nenhuma. Ele simplesmente enrolou alegando o seguinte:

 O texto começa com uma desonestidade, ele disse que eu não respondi nada, ao mesmo tempo que diz que a minha resposta foi uma enrolação, mas afinal, eu respondi ou não respondi?

Agora vejam aqui onde começa a desonestidade, ele sutilmente muda as palavras que ele mesmo usa, dizendo que falou que no todas que as referências do NOVO TESTAMENTO (NT) a um único Deus (monoteísmo) que aparecem na bíblia são em referência única ao Pai. Mas foi isso mesmo que ele falou? Note que no texto dele, ele sequer fala em Novo Testamento, ele fala que na Bíblia (não no novo testamento somente, mas na bíblia como um todo) Ele diz: “O mais próximo que chegamos desse termo é a união das palavras “monos” e “theós” (único Deus). E em todos os casos em que isso ocorre, sem quaisquer exceções, isso se refere exclusivamente a 1 única pessoa, o Pai, não a uma Triunidade.”

Observem em azul como ele falou que na bíblia não existia a palavra monoteísmo, e que o mais próximo que chegamos desse termo seria a união das palavras "monos" e "theos" (único Deus). Veja que falou na BÍBLIA, não falou NOVO TESTAMENTO, como ele está alegando agora, notem a desonestidade. E claro, foram refutados pois no Antigo Testamento existem passagens monoteístas e que significam (único Deus), como é o exemplo da palavra "echad", que será explicada mais a frente.




Notem que ele ainda usa as palavras “sem quaisquer exceções, isso se refere a 1 única pessoa, o Pai, não a uma triunidade.

Mas vejam, eu citei Deut 6.4 para mostrar para ele que na Bíblia, (Bíblia inclui Antigo e Novo Testamento, não só o Novo Testamento, como eles desonestamente quiseram ludibriar), Deut 6.4 também fala de monoteísmo, mas que a palavra echad é uma unidade na pluralidade. Só para esclarecer, eu não falei de Trindade, mas falei de pluralidade, mas uma distorção do meu texto.

PLURALIDADE NA UNIDADE: DISSERTANDO SOBRE A PALAVRA "ECHAD"(ÚNICO)

Aí eles continuam:

“Ouve, Israel, o Senhor nosso Deus é o único [’echad] Senhor.” Moisés bem poderia ter usado a palavra yachid (“um”; “único”), mas o Espírito Santo escolheu não fazê-lo…”
     Além dessa declaração não responder ao argumento que eu fiz, é errada, pois ’echad significa “um”, e não tem nada de pluralidade nisso. E também tal explicação apresenta Deus de forma totalmente cômica, pois nunca nenhum judeu jamais entendeu tais palavras de uma cosmovisão trinitária, e Jesus não apenas nunca corrigiu tal alegação, como também asseverou:

Echad significa unidade na pluralidade, De acordo com Gênesis 2:24, “deixa o homem pai e mãe, e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só [’echad] carne”. É uma união de duas pessoas distintas. Por acaso a página agora vai dizer que o homem e a mulher passaram a ser a mesma pessoa por se tornarem uma só? Echad quer dizer (um), mas não quer (único), ela significa que pode haver pluralidade na singularidade, pois o homem e mulher mesmo sendo distintos, são um (echad) quando se casam. Yachid é (um) no sentido de único. Agora já que Echad é um e não aceita pluralidade, então que a página a Verdade é Lógica possa provar que um casal deixam de ser duas pessoas distintas, já que a bíblia diz que eles são um (echad), mesmo sendo dois! Assim Deus é chamado de Echad, que significa (um), mas com pessoas distintas. O interessante é que o próprio apóstolo Paulo faz essa comparação de Jesus com o Pai e com o marido e mulher quando diz:

“3 Mas quero que saibais que Cristo é a cabeça de todo o homem, e o homem a cabeça da mulher; e Deus a cabeça de Cristo.” 1 co 11.3

Notem que o apóstolo Paulo diz que um casal (homem e mulher), que são um, pois são casados, pois o homem só é o cabeça de sua mulher, não de todas as mulheres, com a relação de Jesus com o Pai, que também são um.  Agora sigam comigo como a bíblia se encaixa:

1 – Echad é usado para dizer que homem e mulher são um.
2 – Echad é usado para dizer que Deus é único.
3 – Paulo compara a unidade de homem e mulher com a unidade do Pai e Jesus.
4 – Logo, Echad, pela própria Biblia (e bíblia interpreta bíblia), significa unidade na pluralidade.

Para refutar esse argumento, a página A Verdade é Lógica, terá que provar que o homem e uma mulher casados, que são echad, segundo as escrituras, deixam de ser duas pessoas distintas. Logo, o texto de Deut 6.4, diz claramente, com uma análise mais profunda, que Deus é uno com pessoas distintas.

Aí ele diz que nenhum Judeu jamais entendeu assim. E desde quando a interpretação judaica é referência para isso? Isso é que é cômico, pois judeus sequer acreditam que Jesus é o Messias, eles não são referências para a interpretação de textos trinitarianos, porque essa é uma doutrina essencialmente cristã. As regras de hermenêutica mandam interpretar o Antigo Testamento através do Novo Testamento, o Antigo Testamento não se interpreta sozinho. Os judeus acreditam, por exemplo, que Jesus é filho de um soldado (Pandera), que se deitou com Maria, que seria uma adúltera, e que Maria teria inventado a estória do ES para José ficar com ela, daí vocês tiram se são confiáveis. Os saduceus, por exemplo, não acreditavam em ressurreição.  Os Judeus também guardam o sábado, igual aos adventistas, agora eu pergunto: testemunhas de Jeová guardam o sábado porque os Judeus interpretam os textos do AT como uma guarda obrigatória do sábado, ou só usam os Judeus quando convém? Comecem a guardar o sábado e eu acredito na coerência de vocês.

O SIGNIFICADO DE "CONHECER" NA BÍBLIA

 (João 4:22) “Vocês adoram o que não conhecem; nós adoramos o que conhecemos, porque a salvação se origina dos judeus.”
     Assim, Jesus alegou que os judeus, que não são trinitários, conheciam a Deus. Moisés não era trinitário. Isaías não era trinitário. Nenhum judeu era trinitário. Em complemento, Jesus reafirmou que o único Deus verdadeiro é apenas 1 pessoa, não 3.
(João 17:3) “Isto significa vida eterna: que conheçam a ti [o Pai], o único Deus verdadeiro, e àquele que tu enviaste, Jesus Cristo.”

Não cara, vou explicar para você o que significa esse texto. A bíblia é uma revelação progressiva, a revelação de Deus não é toda de uma vez, como o escritor de Hebreus diz:

“1 Havendo Deus antigamente falado muitas vezes, e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, a nós falou-nos nestes últimos dias pelo Filho,” Hb 1.1

Então Jesus estava ali completando a revelação de Deus ainda, não era possível para os judeus, já saberem da pluralidade de Deus, pois os evangelhos sequer tinham sido escritos quando Jesus falou isso, e as cartas de Paulo e o Novo Testamento inteiro não existia ainda! Jesus fala com Nicodemus, mestre em Israel, e disse que ele não entendia o básico. Note que mestres em Israel eram infantis na teologia neotestamentária. Uma prova de que a bíblia é uma revelação progressiva é que os saduceus, que só acreditavam no pentateuco, não acreditavam em ressurreição dos mortos no último dia, porque? Porque a revelação da ressurreição só acontece com o profeta Daniel, já no exílio babilônico, antes disso, judeu algum, falaria de ressurreição, assim como antes dos escritos do Novo Testamento e da doutrina apostólica, judeu algum interpretaria qualquer texto de forma trinitária, por mais que ele visse plurais em vários textos, ele sempre daria uma outra interpretação, por causa dos seus pressupostos, igual aos judeus de hoje fazem com os textos do Antigo Testamento que apontam para Jesus, eles dão outra interpretação, porque não acreditam em Jesus. Agora a página a Verdade é Lógica vai negar também que Jesus é o Messias, só porque os judeus não interpretam os textos antigo testamentários que apontam para o ministério messiânico de Jesus como se referindo a Cristo? Se eles fizerem isso, eu admito que são coerentes com sua argumentação.
O argumento da página a Verdade é Lógica, falha quando ela quer dizer que conhecer a Deus é ter um conhecimento intelectual de Deus, como se o judeu tivesse que ter uma informação de que Deus é trino para que pudesse de fato conhecê-lo, mesmo antes dessa revelação, mas isso está errado e vou explicar o porquê:

Quando a bíblia fala de “conhecer”, não é um ato intelectual, não é de uma informação, mas de um ato sobrenatural que nos faz fazer parte da natureza divina, em outras palavras, conhecer a Deus é o mesmo que ser salvo (fazer parte da natureza divina). Quando um homem se casa com uma mulher a bíblia diz que “conheceu” a mulher, veja em Gn 4.1. 
“1 E conheceu Adão a Eva, sua mulher, e ela concebeu e deu à luz a Caim, e disse: Alcancei do SENHOR um homem.”
Será que Adão não tinha o conhecimento de Eva antes disso? Ele tinha, mas não tinha se tornado um (echad) com ela, portanto, conhecer é o mesmo que se tornar um! Por isso Jesus diz aos seus eleitos:
“E não rogo somente por estes, mas também por aqueles que pela tua palavra hão de crer em mim;
Para que todos sejam um, como tu, ó Pai, o és em mim, e eu em ti; que também eles sejam um em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste.”
João 17:20,21

Note que ser um com Deus é ser salvo e também ser conhecido de Deus, como vemos nesse texto:
“23 E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade.”
Mt 7.23

Será que Jesus não tinha conhecimento intelectual da existência dessas pessoas? Se ele não tinha, como ele sabia que essas pessoas eram más? Jesus nunca os conheceu porque eles nunca foram salvos! Eles nunca fizeram parte da natureza divina. Por isso no texto de João 17.3 diz que devemos conhecer ao Pai, ou seja, fazer parte da natureza do Pai, e também fazer parte da natureza de Jesus, isso é ser salvo, isso é conhecer a Deus. Note que conhecer ao Pai não adianta somente, tem que conhecer o Filho também, e aí eu pergunto, os judeus conheciam o filho para terem a salvação? Não, eles não conheciam, mas não era preciso isso antes do ministério de Jesus, por isso mesmo os Judeus conheciam a Deus mesmo que não conhecessem o Filho e mesmo que não tivessem a informação de um Deus triuno.

Então não há contradição alguma entre os judeus conhecerem a Deus, naquele tempo, e não conhecerem a triunidade de Deus ainda, e também não há contradição alguma da forma como os judeus interpretaram o antigo testamento com o fato de que o antigo testamento ganhou novas interpretações a partir do ministério de Jesus e dos apóstolos. Falta às Testemunhas de Jeová conhecimento de história e hermenêutica bíblica. Mas prossigamos:

“Esse é o “monoteísmo” bíblico: Somente o Pai como único Deus.
Jesus disse que o Deus de Deuteronômio 6:4 é o Pai, não uma trindade:
(João 8:54b) “… É o meu Pai quem me glorifica, aquele que vocês dizem ser o seu Deus.”
Vamos ver se nosso colega Tourinho vai começar a pensar que O Pai é uma pluralidade.”

O monoteísmo bíblico apresenta uma pluralidade em unidade, como já ficou provado com a explicação mais acima da palavra echad e sua comparação e aplicação no contexto neotestamentário além da análise textual, inclusive usando o próprio texto de Deuteronômio 6.4.
Eu não disse que Jesus falou em trindade, em hora alguma eu falei isso, falei que a palavra echad implica em pluralidade e até que a página A Verdade é Lógica me prove que um casal ao tornar um (echad) não continuam sendo duas pessoas distintas, então meu argumento está de pé.

(João 8:54b) “… É o meu Pai quem me glorifica, aquele que vocês dizem ser o seu Deus.”

Um pouco mais a frente Jesus diz: “Disse-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que, antes que Abrãao existisse, EU SOU.” Jo 8.58
“Então, pegaram em pedras para lhe atirarem;” Jo 8.59a
Aqui os judeus interpretaram que Jesus se fez igual a Deus, por isso quiseram apedrejá-lo por blasfêmia. E aí página a Verdade é Lógica, vai manter a coerência com a interpretação do judeus aqui? Ou vai seguir a interpretação judaica somente quando for conveniente? Os judeus entenderam que Jesus era o grande EU SOU, e vocês, o que dizem?

REFUTADOS POR ELES MESMOS: MAIS UMA DESONESTIDADE 

“Bem, então Jesus era henoteísta, pois ele disse que “os verdadeiros adoradores adorarão o Pai com espírito e verdade” (João 4:23), mas também não apenas reconheceu a outros como sendo chamados de “deuses”, como também se comparou a tais quando acusado de alegar ser Deus / um deus, dizendo: “Vocês são deuses” (João 10:34)

“Então Jesus era henoteísta porque ele disse que os verdadeiros adoradores...” O que isso tem a ver? O seu próprio texto diz que Jesus reconheceu que outros eram CHAMADOS, vou escrever de novo, CHAMAAAAAADOS deuses, eles não eram deuses de fato.  E eu tenho dito isso diuturnamente, que até um pedaço de madeira pode ser chamado de deus, mas ela não é de fato um deus! E a página A Verdade é Lógica, diz exatamente o contrário, ela diz que existem outros deuses de verdade, ela não diz somente que outros são chamados de deuses, além de dizer que outros são chamados de deuses, ela também diz que existem outros deuses, além do Pai, e isso é Henoteísmo. Conseguem entender? Querem as provas? Darei!
Vejam o que a página a Verdade é Lógica fala nesse vídeo:
video




E aí? Vão dizer o que agora? Que eu estou mentindo? Ele diz que esse é o monoteísmo bíblico, adorar um só Deus, mas acreditar que existam vários! Está aí, claro como a água.
Temos também o próprio site das Testemunhas de Jeová que afirmam a existência de vários deuses.



E então, irão eles contra as próprias palavras que disseram? Provavelmente sim, para eles a Lógica só existe no nome da página, mas não na sua vivência.

“ Eu não me detenho tanto em termos como “Henoteísmo” ou “Politeísmo” porque isso não importa. Se acreditar em Jesus significa ser “Henoteísta”, que assim seja. (Embora eu não concorde com o modo como Tourinho apresenta a questão) É melhor ser “Henoteísta” com base bíblica do que colocar 2 cabeças a mais em Jeová de própria iniciativa. Por isso eu digo: não importa o termo, o que importa é que ensinamos a verdade.”

Claro que não vai importar o termo, porque eles sabem que são henoteístas, ou vão voltar atrás com a palavra do debate e dizer que não usaram o texto de 1 Co 8.5,6 para dizer que Paulo defende a existência de vários deuses subordinados? E aí? Será que são honestos para voltar atrás e dizer que erraram? Vou esperar.

Aí depois ele disse que é melhor ser henoteísta com base bíblica, como se a bíblia não fosse monoteísta. Na verdade, segundo eles, a bíblia tem um conceito próprio de monoteísmo, porque, na verdade, segundo o vídeo agora posto, o monoteísmo verdadeiro é um henoteísmo, então não existe monoteísmo de verdade, ou não existe henoteísmo de verdade, porque na bíblia, para os TJ, monoteísmo é henoteísmo e henoteísmo é monoteísmo, veja só que confusão esses caras fazem.

Logo depois eles dizem que não importa o que dizem, pois o que dizem é sempre verdade. MARAVILHA DE ARGUMENTO!

“Pela definição de Ehrman, o Henoteísmo é a crença de que existam vários deuses, mas adorar apenas a Jeová. Um henoteísta acreditaria que Baal existe, mas adoraria a Jeová. Definitivamente, se isso for Henoteísmo, nós não somos henoteístas. Pois não acreditamos que deuses rivais a Jeová existam. Mas aceitamos o fato de que a bíblia aplica o título Elohim a outros seres de forma honrosa e aprovada por Jeová.”

Isso é contraditório com o vídeo posto acima, e também com o site das Torre de Vigia, posto mais acima, no qual eu postarei a imagem de novo aqui.


“Embora alguns escritores da Tanakh tais como Isaías, eventualmente criaram um monoteísmo [detalhe, monoteísmo não trinitário] genuíno, nós encontramos traços óbvios de politeísmo na Bíblia Hebraica. Em seus estágios iniciais, a religião israelita não era monoteísta, mas henoteísta. Henoteísmo – fidelidade a um deus enquanto admite a existência de outros […]”

Sim, eu falei isso no meu texto refutação, eles estão só confirmando o que eu disse no meu texto que eles alegam refutar. Vejam o que eu disse:



Notem que o povo hebreu foi henoteísta em seus estágios iniciais, mas não agora, o livro de Isaías, segundo a própria fonte que eles mostraram, Barth Ehrman diz que o livro de Isaías era monoteísta e os outros henoteístas, a bíblia se contradiz então? Já que henoteísmo não é o mesmo que monoteísmo, então vocês estão dizendo que a bíblia se contradiz?

Vou fazer o favor de responder para essa página, para que ela não se enrole mais. Já foi falado acima que a bíblia é uma revelação progressiva, isso porque Deus se revelou progressivamente. Assim, o povo hebreu era henoteísta, passou ao monoteísmo mais na frente e ao estabelecer a existência de um único Deus, ele se revelou completamente na pessoa de Cristo, revelando agora mais de sua natureza que é Triuna. Tudo faz parte de uma progressiva revelação.

“Pelo que percebemos, o Henoteísmo não parece ter a ver com reconhecer o fato de que o termo elohim é aplicado a anjos e juízes, mas com aceitar a existência de deuses das nações pagãs. Diante de tal definição, não somos henoteístas.”

Henoteísmo não é só aceitar a existência de deuses pagãos, mas aceitar a existência de qualquer outro deus que não seja o Deus que a pessoa adore. Isso fica claro no próprio texto citado por vocês, de Barth Ehrman que ressalta que o profeta Isaías não acreditava na existência de deus algum a não ser Javé, no entanto, a página a verdade é lógica, disse claramente que Paulo disse que os deuses pagãos de fato existem! Sem falar que as próprio site das TJ afirmam isso.

FUGINDO DA PERGUNTA: APRENDENDO COM AS TJ, COMO SER IGNORANTE E AINDA SAIR POR CIMA

“E aqui fica o desafio – MOSTREM-ME, UM DICIONÁRIO SEQUER, DE TEOLOGIA, FILOSOFIA OU ATÉ MESMO DE PORTUGUÊS, QUE DIGA QUE MONOTEÍSMO É O MESMO QUE ACREDITAR EM VÁRIOS DEUSES.”
     Antes disso, a pergunta é outra:
Se Jesus disse que o único Deus verdadeiro é o Pai, e isso é MONOTEÍSMO, em qual base Tourinho MUDA isso acrescentando 2 pessoas ao monoteísmo? (João 17:3)

Agora aqui eles deliberadamente fogem da minha pergunta, porque não tem fontes, a não ser a própria cabeça deles, e me colocam uma pergunta sendo que essa já foi respondida com Deut 6.4, que é um versículo monoteísta, sem dúvida, mas que implica na união de pessoas distintas, assim como o homem e a mulher são um, mas continuam distintos. A base já foi dada na argumentação onde eu explico o significado da palavra hebraica echad e sua aplicação. Então como já foi respondida eu passo adiante.

“Ou agora o Pai ser o único Deus verdadeiro não impede Jesus de ser o mesmo Deus verdadeiro também? Se os trinitários acrescentam pessoas ao “único Deus verdadeiro” – o Pai – deveríamos olhar o henoteísmo como algo pior que o trinitarianismo?”

Não impede, primeiro porque a página comete o erro de confundir Trindade (três pessoas – um {echad} Deus), note a palavra "echad" sendo usada como união de pessoas distintas que permanecem sendo uma só, com triteísmo (três deuses distintos sem serem um). E já explicamos que a palavra único, na cultura que Jesus usava podia ter esse sentido de pluralidade na unidade, como por exemplo, as palavras hebraicas para água e céu também são plurais. Os gramáticos nomeiam esse fenômeno como plural quantitativo. A água pode aparecer em forma de pequenas gotas (plural) ou grandes oceanos (unidade). Essa diversidade quantitativa em unidade, segundo Knight, especialista em hebraico, é uma forma adequada de compreender o plural “echad”,  ’Elohim. E também explica por que o substantivo singular “Adonai” é escrito como plural. Só lembrando que a própria palavra Jeová também é uma palavra escrita no plural com singularidade, já que é a junção entre Yaweh e Adonai (Adonai é uma palavra escrita no plural), isso também é algo que não obtive resposta.

Paulo era henoteísta?
(1 Coríntios 8:5, 6) “Pois, embora haja os que são chamados deuses, quer no céu, quer na terra, assim como há muitos “deuses” e muitos “senhores”, 6 para nós há realmente um só Deus, o Pai…”
     Note que Paulo indica que ele admite a existência de outros que se chamem deuses, tanto no céu como na Terra. Embora Paulo falasse de ídolos nesse contexto, conforme Tourinho já alegou anteriormente, Paulo enfatiza a existência real de vários que se chamam “deuses” – e que tais deuses de fato existem no céu! Será que ídolos existem no céu ou Paulo se referia a seres angelicais?
     Seja como for, para Paulo o único Deus é o Pai, não a trindade. Aqui Paulo deixa bem claro que ele não era trinitário.

Respondendo a pergunta: não, Paulo não era henoteísta! Paulo diz que existem outros deuses, mas todos esses são deuses falsos, não existem na realidade, só existem na mente dos seus adoradores, o verdadeiro cristão nega a existência desses deuses, pois a continuação do versículo, que a página omitiu propositadamente para enganar seus leitores, diz assim:
“todavia (conjunção adversativa, dando a ideia de oposição à aqueles que acreditavam em vários deuses), para nós (os cristãos), HÁ UM SÓ DEUS”!
1 Co 8.6

Então NÃO! Paulo, como cristão, acreditava na existência de um único Deus, pois para os cristãos há somente um Deus, existe somente um Deus, não existem outros deuses para nós. Se alguém acredita na existência de outros deuses além de Javé, então esse não pode ser chamado cristão e as Testemunhas de Jeová estão caminhando para esse caminho.

ORGANIZANDO AS IDEIAS TRINITÁRIAS PARA OS JEOVISTAS

“A pergunta que surge agora é: Por que Paulo não incluiu a trindade como sendo o único Deus? Ou agora “único Deus, o Pai” não significa “único Deus, o Pai”? Os trinitários nos acusam de henoteístas, mas são eles que acrescentam pessoas à declaração explícita: “único Deus, o Pai.”

Simplesmente pelo seguinte: a bíblia é um livro completo, ela não pode ser avaliada somente através de um versículo isolado, mas como um todo.  Então a mesma bíblia que diz “único Deus, o Pai”, também diz em Gênesis 1:26: “Também disse Deus [singular]: Façamos [plural] o homem à nossa [plural] imagem, conforme a nossa [plural] semelhança…” Notem aqui  a mudança do singular para o plural. Moisés não está usando o verbo no plural com ’Elohim, mas Deus está usando um verbo e um pronome no plural, em referência a Si mesmo. Ou seja, se o próprio Deus se refere a si mesmo no plural, então, quem sou eu para dizer o contrário? Ainda mais, eu já expliquei o sentido da palavra único, e o próprio nome Jeová, que os TJ usam para designar o Pai, é um nome no plural, mesmo assim ele continua sendo UM. A bíblia está recheada de textos assim, só não ver quem não quer!
Outros textos. Após a queda do homem, Deus disse: “Eis que o homem se tornou como um de nós” (Gên. 3:22). E algum tempo depois, quando o homem começou a construir a torre de Babel, o Senhor ordenou: “Vinde, desçamos e confundamos ali a sua linguagem” (Gên. 1:7). Em cada caso, a pluralidade da Divindade é enfatizada.
Em sua visão do trono de Deus, Isaías ouviu o Senhor perguntando: “A quem enviarei, e quem há de ir por nós?” (Isa. 6:8) (só lembrando, que segundo a própria fonte usada por eles, Barth Ehrman, o profeta Isaías era monoteísta e não acreditava na existência de outros deuses, como então ele mesmo escreve Deus se referindo no plural?)  Aqui encontramos Deus usando o singular e o plural na mesma sentença.

MAIS E MAIS E MAIS DESONESTIDADES 

“Tourinho defende que a bíblia impede a existência de outros seres chamados de deuses. Mas temos que deixar claro que esse único Deus é uma só pessoa – o Pai – não uma Triunidade. (João 17:3; 1 Coríntios 8:5, 6; Gálatas 3:20)”

ISSO É MENTIRA! Eu sempre defendi que seres podem ser chamados deuses, o que eu nego é que eles SEJAM DEUSES DE FATO! E foi o que a página disse no vídeo postado, a prova tá aí, é dessa afirmação que eu discordo!

PETIÇÃO DE PRINCÍPIO: UM POUCO DE FALÁCIA E MAIS MENTIRAS

“Conforme já falei, a questão terminológica entre monoteísmo e henoteísmo não faz diferença. E a verdade é que os trinitários deveriam calar a boca quanto a isso, pois todos os escritores bíblicos eram Unitaristas, não Trinitaristas. Nenhum escritor bíblico era trinitarista! Assim, os próprios trinitários admitem que Jesus alterou a visão de monoteísmo Unitário para monoteísmo Trinitário, que é um politeísmo disfarçado. Assim, um trinitário acusar um unitário de henoteísmo é igual a um comunista chamar um cristão de fascista.”

Não faz diferença para as Testemunhas de Jeová, porque negam os conceitos deliberadamente para adequar sua doutrina ao que chamam de verdade, mesmo sendo mentira, e ainda me acusam de desonestidade intelectual. Isso é petição de princípio (Petitio principii)  é uma retórica falaciosa que consiste em afirmar uma tese que se pretende demonstrar verdadeira na conclusão do argumento, já partindo do princípio que essa mesma conclusão seja verdadeira em uma das premissas. Ou seja, as TJ estão corretas porque ensinam a verdade, e ensinam a verdade porque sempre estão corretas, mesmo que o argumento seja errado. 

Depois disso, desonestamente eles confundem Trindade com Triteísmo, ou nem sabem mesmo a diferença.

Moisés foi chamado de “deus” (Êxodo 7:1). Fransico Tourinho, em seus devaneios teológicos, nega isso. (Nenhum judeu jamais negou isso, o Tourinho é meio alienado). Mas se perguntarem para uma Testemunha de Jeová:
– Você acredita que Moisés é um deus?
     Todas as Testemunhas de Jeová dirão: “Não! Mas eu acredito que ele recebeu tal título, que ele foi chamado de ‘deus’ em uma situação específica.“
     É nisso que cremos: Jesus não é “deus”, mas ele foi e pode ser chamado assim em algumas situações específicas. Eu não vejo isso como “Henoteísmo”. Mas, conforme falei, os termos não importam.

Mentira, o vídeo está aí para quem quiser ver. E eu também nunca disse que as TJ afirmam que os anjos são deuses do mesmo modo que Javé é, se isso fosse verdade, não faria sentido adorar um e negar o outro. O fato é que vocês afirmam que os anjos são de fato deuses, não só chamados de deuses, as TJ afirmam que anjos são deuses de fato, não apenas chamados de anjos.

     Tourinho prossegue:
“… se uma palavra tem dois significados, os dois significados não são sinônimos, por isso eu disse mais acima, que os Jeovistas não entendem sequer português, e querem debater hebraico.”
     Falácia do espantalho: Nós nunca afirmamos que os anjos são deuses no mesmo sentido que Jeová é Deus. Aliás, nós justamente enfatizamos que os anjos são chamados de “deuses”, mas isso é num sentido diferente de como Jeová é Deus.

Primeiro, eu já falei que nunca disse que as TJ afirmam que os anjos são deuses do mesmo modo que Javé é, se isso fosse verdade, não faria sentido adorar um e negar o outro. Mas vejamos o que a própria página diz a respeito dos anjos:

video

Vejam que no vídeo, eu disse que anjos não podem ser deuses, pois anjos são anjos e deuses são deuses, e eles usam uma argumentação, fazendo uma intercambiação de significados nos vários significados de Elohin, para me contrariar e dizer que, em suas próprias palavras “anjos são deuses, isso é verdadeeee”. Agora eles pegam e mudam o discurso pra dizer que nunca disseram que anjos são deuses de fato? Isso é o cúmulo da desonestidade e falta de caráter.

“Quantos “Pais” existem?
(Mateus 23:9) “Além disso, não chamem a ninguém na terra de seu pai, pois um só é o seu Pai, o celestial.”
     OK, existem quantos “pais”? “Um só”, disse Jesus. Mas Jesus também disse:
(João 8:56) “Abraão, o pai de vocês…”
     Será que Jesus era “Heno-paternalista”, ou “poli-paternalista”? Se Tourinho quiser chamá-lo assim, sinta-se à vontade.
     Qual é o ponto aqui? Antes que Tourinho me acuse de “falácia da ambiguidade”, vou dizer abertamente:
     É óbvio que aqui existem 2 sentidos e 2 intensidades para a palavra PAI. É óbvio que Abraão não é “Pai” no mesmo sentido que Deus é PAI!”

O exemplo é uma falsa analogia, pois não há nada nas Escrituras que digam que é errado acreditar em pai terreno, pois eles existem de fato. No entanto, as Escrituras, sendo monoteístas, proclamam não existir outros deuses e ser errado acreditar na existência de tais, mesmo que em sentido diferente, pois como o apóstolo Paulo diz: “como há muitos deuses e muitos senhores, todavia, para nós há um só Deus, o Pai” 1 Co 8.5b,6a . Paulo faz um contraste com os outros chamados deuses e aos que são deuses dos homens e dizem que eles de fato não existem, pois só existe um Deus. Para exemplificar melhor, vamos substituir a palavra Deus por Pai, e deuses por pais, obedecendo a analogia que a página propõe, como ficaria?
“como há muitos pais e muitos senhores, todavia, para nós há um só Pai, o Pai (do céu)” 1 Co 8.5b,6a
Se existisse algo como isso nas Escrituras, eu diria que a analogia estava correta, mas não há nada nas escrituras que impeçam a existência de pais terrenos, no entanto, há uma expressa posição da Escrituras quanto a não existência de deuses, mesmo sendo subordinados, sendo todos os deuses, falsos deuses ou não são deuses de fato, mas ao pai terreno, alguém tem coragem de chamar de pai falso?
Notem, que ou algo é chamado de deus (não sendo deus de fato), ou esse algo é um deus falso. Mas e o pai terreno? Poderíamos dizer o mesmo dele? Como não bate a analogia, ela deve ser descartada porque não serve.


“Vejam que essa passagem diz justamente o que nós dizemos, não o que Tourinho alega! Sim, “Elohim” às vezes indica anjos, pois é uma referência a anjos. No entanto, Elohim não é um termo alternativo para anjos, assim como “aipim” e “mandioca” são termos intercambiáveis. Então ele cita a referência de Strong, e tenta alegar que ou é um, ou é outro.”

Primeiro vamos colocar os pingos nos “is”. A página a Verdade é Lógica (AVL), disse que Elohim significava “poderes”, somente, lembrem disso. Então, já foram refutados, só para ressaltar, pois mostrei outros significados da palavra. Para isso ele usa a obra de RN Champlin:


Mas eu mostrei vários outros significados que o próprio Champlin atribui a Elohim, sendo eles então refutados pela própria fonte, que nem sequer leram. Eu não obtive resposta a isso.

Agora ele quer dizer que Champlin ao dizer que a palavra Elohim “indica” anjos, não significa que Champlin quis dizer que ela significasse a palavra anjos, mas que ela faça referência a anjos, baseado em que? A palavra "indicar" de Champlin está no sentido de “significar”, não no sentido de “fazer referência”. Fazer referência, sequer pode ser usado como sinônimo de indicar. Mas a palavra “significar”, segundo o dicionário de sinônimos, é sinônimo de “indicar”. Quando eu digo que TJ’s sabem nem português, eu me deparo com uma dessas e tenho certeza. Kkkk

Aí eles continuam, colocando minha fonte e depois um comentário

 No entanto, a referência de Strong não diz que Elohim significa anjos. [E caso algum obra diga isso, é errado. Se alguma obra disser: “Elohim significa anjos”, houve um erro de expressão linguística] A referência Strong meramente mostra que uma das aplicações da palavra Elohim é em referência a anjos. Afinal, o que Tourinho esperava? Se até os tradutores da Septuaginta entendiam que Elohim (deuses) é uma referência a anjos em algumas partes dos salmos, e sendo que todos os judeus entendiam isso nos tempos bíblicos, Tourinho esperava que nada disso constasse na referência de Strong? Vou ser bem lúdico aqui. Veja o pronome de tratamento “Vossa excelência”. Tal expressão é aplicada a prefeitos, embaixadores, e até governadores. Mas “Vossa excelência” não significa nem “prefeito”, nem “governador”, nem “embaixador”, mas é APLICADO a tais, por estes serem autoridades de estado. É exatamente a mesma lógica com a palavra “Elohim” na bíblia. Mas Tourinho insiste teimosamente em dizer que Elohim significa anjos.
   Se Elohim/Theos nem sempre significam “Deus/deus”, fica pior ainda para os Trinitários, pois é só mudar a tradução quando a referência for para Jesus.

Vejam só, a figura abaixo é de um dicionário. Se você se depara com o seguinte dicionário:



Como vocês interpretariam a imagem acima? Que os termos “sofrimento”, “tristeza”, “punição”, e "estrutura que cobre o corpo de uma ave" eram diferentes significados de para a palavra pena, ou que eram aplicações do mesmo sentido da palavra pena? Se for a segunda, então chegamos a conclusão absurda de que pena de galinha é o mesmo que punição, notam o absurdo? A impressão que eu tenho é que esses caras nunca usaram um dicionário, sério mesmo! 

Mas não fica só nisso não, eu tenho uma fonte, já que eles não mostraram nenhuma! Esse último parágrafo foi tudo tirado da cabeça deles, sem nenhuma fonte!

O dicionário do de Strong, comentado, que eu tenho ele em físico, diz o seguinte sobre o significado da palavra Elohim:

“Substantivo masculino plural que significa Deus, deuses, juízes, anjos.”

Esse é o dicionário:


E agora AVL, vão dizer que o próprio comentário do dicionário Strong está errado? O dicionário que eu usei era o sem comentário, pois tenho ele em pdf, pois achei que não precisaria, já que é óbvio. Já o comentado deixa bem claro que Elohim é “Substantivo masculino plural que significa Deus, deuses, juízes, anjos.” Ele não é só aplicado, ele pode significar exatamente essas palavras. 

REFUTADO!!!

Continuemos.

(João 1:1) ficaria assim:
“No início era a Palavra, e a Palavra estava com Deus, e a palavra era um anjo.”
     Tourinho não percebe que o que interessa não é a tradução usada no português, e sim qual é o termo usado no original. A palavra que traduz elohim em português não muda o fato de que no hebraico é a mesma: elohim.

Não cara, a palavra é aplicada conforme o contexto! Assim como nós não erramos a aplicação da palavra “pena” no nosso idioma, é quem conhece a cultura e a língua que sabe como encaixar o melhor significado de uma palavra, não é colocando qualquer significado que daria certo.

(Pra vocês que dizem que Jesus é o arcanjo Miguel, ou seja, um anjo chefe, a tradução não ficaria errada, notem que a própria doutrina de vocês é um escárnio para vocês próprios, pois se vocês usaram a palavra anjo ali para me refutar com o sentido de ser absurdo, é porque sabem, no íntimo, que é impossível que Jesus seja um anjo, a saber o Arcanjo Miguel).

Começando a bíblia do zero: Nos salmos, muitas passagens tem uma aplicação primária a uma pessoa que vivia na época e uma aplicação secundária de caráter messiânico. Veja o seguinte salmo:
(Salmo 22:1) “Deus meu, Deus meu, por que me abandonaste?”
     Essa frase foi dita por Davi, com referência a si próprio. Davi não estava aplicando tal frase a outrem. Mesmo assim, ela tem um caráter messiânico secundário.
(Eu confesso que não acreditei no que Tourinho disse! Estou rindo por dentro até agora… cara, isso é uma vergonha! Tourinho, vá tomar vergonha na cara! Tourinho, você é um vexame em pessoa para seus mestres!)

Vou refutar esse texto dando-lhes uma informação preciosa – é justamente dessa forma que os judeus modernos rejeitam o chamado messiânico de Jesus. Eles dizem que tal texto não pode se referir a Jesus, porque esse texto se refere na verdade ao Rei Davi, ou ao Rei Salomão, quando na verdade sabemos que ele se refere ao Messias e somente a Ele. Quem disse que o texto se aplicava a Cristo, foi o próprio autor de Hebreus, se Bíblia explica Bíblia, então o autor de Hebreus está certo, e a AVL está errada. E fim de papo!

Veja o que Champlin [ídolo de Tourinho] alegou, na página 2198 sobre esse salmo quanto ao termo “deus” ser aplicado ao rei. (Após a imagem está o texto transcrito para facilitar a leitura):

Quem começou citando Champlin foi a AVL no post passado, não eu, uma pena que a própria AVL foram refutadas por ele. 

“Jesus disse ‘Sois deuses’ (ver João 10:34, 35) a certos homens que ocupavam a posição de Deus, em suas respectivas missões. Além disso, o termo Elohim, conforme mencionado acima, não se refere a Deus, no céu, cada vez que é usado. Seja como for, o entusiasmado poeta, ao observar o resplendor do rei, poderia ter exclamado ‘Ele é um deus’, ou então “Ele é como Elohim”, sem se envolver em teologias duvidosas. […]” [Os grifos são meus]

Aqui a AVL devaneiou, nem sei o que ele quis dizer com isso e com a relevância disso para o argumento dele. Passemos.

Por que o escritor de Hebreus aplica a Jesus o salmo 45:6, onde o título Elohim não se refere a Jeová, mas a outro ser, que mesmo não sendo Jeová, é chamado de “deus”?

O Dr. Russel Shedd responde essa pergunta da seguinte maneira: “O caráter e o ofício do noivo, o Messias. Cristo reina como Deus, com autoridade sem igual entre os homens, pois mesmo tendo vivido entre eles, tendo-os por “companheiros”, está acima deles. Amando a justiça e odiando à iniquidade, julgará aos que praticam tanto a primeira como a segunda. Cristo, como noivo (Mt 25.1-13), é a chave destas palavras, e da sua citação em Hb 1.8” (Bíblia de Estudo Shedd, Sl 45.6)
Da forma como a AVL interpreta, ela transforma Jesus em um rei terreno, assim como Davi ou Salomão, o que é absurdo.

Se Jesus é Jeová (YHVH), por que o escritor de Hebreus não aplicou a Jesus um texto onde Jeová era chamado de Elohim, mas selecionou um texto onde outro ser que não era Jeová, era chamado de Elohim, a fim de fazer aplicação ao Messias?

A idéia do escritor de hebreus era enfatizar o reinado de Cristo e seu ministério, não a sua igualdade com o Pai, até mesmo porque em Hb 1.6 diz “e novamente ao introduzir o primogênito no mundo diz:” veja que o escritor de Hebreus está falando do ministério terreno de Cristo, quando ele foi introduzido no mundo, pouco antes no versículo 5, ele fala da geração do corpo carnal de Cristo, no 6, ele fala da introdução dele no mundo como verbo encarnado, no 7, fala da superioridade dele sobre os anjos e faz a diferença entre Jesus e os anjos, refutando a ideia de Jesus ser um arcanjo e no versículo 8 fala do seu reinado, que é um dos ofícios de Cristo. O fato de Jesus ter um Deus, no versículo 9, não é problema algum, pois em seu ofício ele era submisso ao Pai (Fl 2.6-7), embora ontologicamente ele fosse igual, como está em escrito em Filipenses 2.1-6.

Só lembrando que o mesmo escritor de Hebreus, diz que Jesus era semelhante a Melquisedeque, que não teve princípio nem fim de dias, ou seja, nunca teve um começo, refutando totalmente a teologia Jeovista de que Jesus tenha sido criado um dia.
“Porque este Melquisedeque, que era rei de Salém, sacerdote do Deus Altíssimo, e que saiu ao encontro de Abraão quando ele regressava da matança dos reis, e o abençoou;
A quem também Abraão deu o dízimo de tudo, e primeiramente é, por interpretação, rei de justiça, e depois também rei de Salém, que é rei de paz;
Sem pai, sem mãe, sem genealogia, não tendo princípio de dias nem fim de vida, mas sendo feito semelhante ao Filho de Deus, permanece sacerdote para sempre.”
Hebreus 7:1-3

Por que Jesus, sendo chamado de “deus”, não de “humano”, em Hebreus 1:8, tem um Deus acima de si em Hebreus 1:9, no mesmo contexto?

Foi respondida já, está no parágrafo anterior.

Se esse texto se refere ao Jesus humano, por que ele é chamado de “deus” em Hebreus 1:8, e não de “humano”?

Porque Jesus era Deus e humano, também o texto ressalta ofícios de Jesus, não sua ontologia.

E se ele é Deus, por que tem um Deus acima de si? (Hebreus 1:9)

O Pai é maior que Jesus em ofício, mas não é em Ser, como um homem que é maior que a mulher em ofício, mas é igual a ela em Ser, entende? Por exemplo o apóstolo Paulo diz que todos os homens são iguais em Cristo: "Não há judeu nem grego; não há escravo nem livre; não há homem nem mulher; porque todos vós sois um em Cristo Jesus." Gl 2.28 Note que homem e mulher são iguais, mas o mesmo Paulo que diz que homem e mulher são iguais, diz que a mulher deve ser submissa ao homem -"As mulheres sejam submissas a seus maridos, como ao Senhor," Ef 5.22, aí vc pergunta, a mulher é menor que o homem em essência, natureza e em Ser, ou seja, ela é menos ser humano que o homem pq tem que ser submissa? Negativo, a bíblia já responde a isso em Gálatas 2.28. O problema de quando falamos de Deus, é que a bíblia é clara ao dizer que só há um Deus, logo, nada pode ser igual a Deus, não existe Deus fora dele, a não ser ídolos criados por homens, portanto, Jesus sendo Deus e compartilhando de atributos que só Deus tem, como a eternidade (não teve começo, nem fim) a única solução lógica é que Deus subsiste em duas pessoas (falei duas pq não estamos falando em ES aqui), se o Pai é Deus e Jesus é Deus e só há um único Deus, então o Pai e Jesus são o único Deus, só há uma saída lógica para isso. Então é totalmente normal Jesus ter um Deus acima de si, já que em ofício ele é menor que o Pai, mas igual em ontologia.

"nada façais por contenda ou por vanglória, mas com humildade cada um considere os outros superiores a si mesmo;
não olhe cada um somente para o que é seu, mas cada qual também para o que é dos outros.
Tende em vós aquele sentimento que houve também em Cristo Jesus,
o qual, subsistindo em forma de Deus, não considerou o ser igual a Deus coisa a que se devia aferrar,
mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, tornando-se semelhante aos homens;
e, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, tornando-se obediente até a morte, e morte de cruz."
Filipenses 2:3-8

Note o versículo três, ele fala sobre nós humanos, irmãos em Cristo, que embora todos sejamos iguais, devemos considerar os outros superiores a nós mesmos, aí ele faz a comparação com Cristo, que sendo igual a Deus, considerou Deus maior que ele, se humilhando, ou seja, o próprio Cristo foi quem assumiu essa posição de inferioridade, mas ele continua sendo igual, mas eu e vc sabemos que ninguém pode ser igual a Deus, então Jesus só pode ser Deus, e subsiste em multiplicidade na unidade. Olhe o bem o contexto e veja que Paulo compara Jesus e o Pai com os irmãos da igreja, e Paulo também diz em Gl 2.28 que são todos iguais, então Jesus é igual ao Pai, mas não é a mesma pessoa, consegue entender? Mas como há um só Deus, então os dois são o mesmo Deus, só existe essa saída.

Pode Deus ter Deus acima de si?
Pode Deus chamar alguém de “Meu Deus”?

Perguntas repetidas e devidamente respondidas na pergunta anterior.

Muitos compartilham a crença trinitária de Tourinho, mas discordam dele na questão de os anjos seres chamados de deuses. Sabemos que Norman Champlin (Na imagem abaixo) discorda. Veja o que o “henoteísta” Champlin disse sobre isso, na página 493 do Volume 5 de sua obra. (O texto transcrito segue a imagem para facilitar a leitura):

A partir daqui começa o show de horrores! Porque eu nunca disse que os anjos não podem ser chamados de deuses, eu disse que anjos não são deuses de fato! Diferente dessa página que eu refuto agora, que diz que anjos são deuses de fato, notaram a diferença? Eles mudam o discurso ao seu bel prazer! É isso que eles fazem.

Depois cita Norman Geisler, Calvino, tudo para a apoiar algo que ele só tá falando agora, mas que não falou antes, pois falava o contrário.

CONCLUSÃO


Ficou patente que a página AVL é uma página de desonestos, que falam uma coisa, e depois negam descaradamente o que falaram, é uma pena.