19 de março de 2014

Cuidado Cristãos! Denunciem, não sejam coniventes com os filhos do Diabo!


Cristãos, venho através desse post fazer um apelo a todo cristão verdadeiro, DENUNCIEM esse tipo de prática, boicotem cantores e ministros que compartilhem com essa ideia, façamos um contra-ataque a essa heresia maldita que está assolando nosso país e acabando com a imagem dos cristãos nessa nação.

Esse vídeo mostra em que situação a Igreja está se encontrando, mostra de forma escancarada o amot ao dinheiro pregado pela maldita TEOLOGIA DA PROSPERIDADE. Cortem o mal pela raiz! Não é hora de pular, cantar e correr, é hora de arregaçar as mangas e lutarmos por uma sã doutrina cristã!

A você que não é cristão, o que você está vendo no vídeo acima, não é cristianismo, isso é um lixo, são filhos do Diabo, adoradores de Mamon, não adoradores de Cristo. O Apóstolo São João diz que os discípulos de Cristo seriam reconhecidos pelo amor, não pelas suas posses.

“Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis.
Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros.
(João 13.34-35)

O seguidor de Jesus também sofre, o mesmo disse:

“no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo.”
(João 16:33)

Ele mandou carregar a sua cruz, não o trono:

"E dizia a todos: Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome cada dia a sua cruz, e siga-me."
Lucas 9:23

Quem não lembra da história do homem que passou a vida inteira juntando riquezas contada em Lucas 12?

"15 E disse-lhes: Acautelai-vos e guardai-vos da avareza; porque a vida de qualquer não consiste na abundância do que possui.
16 E propôs-lhe uma parábola, dizendo: A herdade de um homem rico tinha produzido com abundância;
17 E arrazoava ele entre si, dizendo: Que farei? Não tenho onde recolher os meus frutos.
18 E disse: Farei isto: Derrubarei os meus celeiros, e edificarei outros maiores, e ali recolherei todas as minhas novidades e os meus bens;
19 E direi a minha alma: Alma, tens em depósito muitos bens para muitos anos; descansa, come, bebe e folga.
20 Mas Deus lhe disse: Louco! esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será?
21 Assim é aquele que para si ajunta tesouros, e não é rico para com Deus."

O homem pode ser rico, não há problemas nisso, o problema está em associar a riqueza a presença de Deus ou não. Os homens mais ricos do mundo são incrédulos, se riqueza fosse sinal de bênção de Deus, cristão nenhum passaria necessidade.


CONCLUSÃO

Lembremos das palavras de São Paulo a Timóteo em 1Tm 6:

"9 Mas os que querem ser ricos caem em tentação, e em laço, e em muitas concupiscências loucas e nocivas, que submergem os homens na perdição e ruína.
10 Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda a espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores.
11 Mas tu, ó homem de Deus, foge destas coisas, e segue a justiça, a piedade, a fé, o amor, a paciência, a mansidão.
12 Milita a boa milícia da fé, toma posse da vida eterna, para a qual também foste chamado, tendo já feito boa confissão diante de muitas testemunhas."

18 de março de 2014

Teístas e Ateístas podem estar errados – Quando a Teoria do Design Inteligente é prejudicial ao debate Teológico


Acredito que possa existir um erro em relação a algumas interpretações da natureza e suas conclusões teológicas, alguns argumentos, baseados em ciência, não devem ser usados como alicerce de um arrazoado para a existência de Deus, simplesmente porque o argumento em questão é instável demais para tirar conclusões teológicas baseadas nele.

Por exemplo, tenho visto teístas usarem argumentos como a Complexidade Irredutível e a dificuldade do homem de gerar uma vida de forma natural como prova de que Deus existe. Cuidado amigos, isso é uma BOMBA RELÓGIO!

Veja que se os proponentes do Design Inteligente advogam que isso é uma ciência, então deverão estar abertos a total possibilidade de estarem errados, exatamente porque não se pode ter certezas absolutas em ciência, ou seja, se a complexidade irredutível for algo científico, essa poderá cair a qualquer momento e o teísta acabará por sair envergonhado em seu discurso, diferente do argumento filosófico e teológico, onde não se há provas, tem-se paradigmas. Imagine que ao invés de criar algo pronto, Deus tenha na verdade criado leis que possibilitassem o surgimento de vida na terra, o argumento da complexidade irredutível cairá por terra mais cedo ou mais tarde, outra possibilidade é de descobrirem como estruturas julgadas complexamente irredutíveis foram formadas passo a passo.  

No caso da origem da vida, suponhamos que o homem consiga fabricar vida em laboratório, poderá surgir alguém como Dawkins e cia e dizer que não precisamos de Deus para mais nada, pois a vida é um processo natural e isso foi provado, mas a verdade é que se o homem conseguir produzir uma vida, Universo, seja lá o que for, não prova nada a não ser que o homem descobriu os mecanismos pelo qual isso funciona e isso em hipótese alguma refuta a ideia de Deus, pelo contrário, a ordem ali estabelecida mostra um planejador.

Por acaso o fato de eu saber como um carro é construído exclui a figura do projetista?

Como diria FRANCES POWER COBBE: “É singular o fato de que, sempre que achamos como se faz uma coisa, nossa primeira conclusão parece indicar que não foi Deus que fez”2. Logo é um engodo achar que se descobrirmos como algo funciona devemos automaticamente descartar Deus.

Então vejamos que se o teísta usar como argumento esse tipo de lacuna na ciência como evidência para a existência de Deus, o ateísta terá todo motivo para alegar a não existência de Deus através da anulação desse argumento. Nesse caso então, nem o teísta, tampouco o ateísta estão certos, pois estão discutindo sobre a base errada da questão.

Assim, sei que se um dia o homem conseguir fazer vida em laboratório, e acho que isso vai acontecer, vai ter uma cambada de teísta se jogando dos penhascos por causa de uma suposta prova da existência Deus ter sido derrubada.

Logo, acredito que nesse tipo de debate, nem os ateus nem os teístas estão certos, pois o argumento para a existência de Deus é a ordem, são as leis da natureza. Se existe uma ordem no universo, basta o homem descobrir essa ordem, essa lei, o mecanismo de como funciona, que obedece a uma lógica e tudo estará desvendado, seja o surgimento da vida ou de qualquer outra coisa. A grandeza do criador será manifestada quando a descoberta mostrar o tamanho da engenhosidade precisa para construir algo tão maravilhoso como a vida, universo etc.

Só o fato de ser tão difícil ao homem fazer isso acontecer, já mostra a ação de uma mente muito superior e o homem sensato facilmente chegará a essa conclusão, pois a ordem aí está, só não ver quem não quer, mas mesmo sem querer ver, esse homem terá que se utilizar desse conceito caso queira fazer ciência.


O teísta poderá até argumentar sobre a maravilha da criação debaixo da tese que a origem da vida de forma natural é altamente improvável e que isso exigiria condições criadas previamente para isso acontecer, mas não pode usar como base para a existência de Deus a impossibilidade de que a vida possa surgir de forma natural, pois se o homem tornar possível, o argumento cai por terra, mas o fato do homem tornar isso possível em um laboratório, não fará com que o surgimento da vida seja algo altamente provável, logo, o teísta poderá até usar a improbabilidade para mostrar como as leis que regeram aquele evento são tão magníficas que exige muito do homem a ponto dele demorar tanto para desvendar quais são e como se relacionam.

Lembre-se, que Deus fez vida surgir do pó, ora, Deus fez não vida ser vida, se o homem descobre como Deus fez a vida, então isso não descarta Deus, portanto o homem não pode alegar que a impossibilidade disso seja prova, mas a dificuldade disso acontecer, que implica em uma lei mais complexa o que aumenta a grandeza de Deus para aquele evento.


OUTRAS REFLEXÕES

Outro ponto que gostaria que compreendessem, é que um evento natural não é em nada menor que um sobrenatural, ou vice-versa, simplesmente porque essas palavras são apenas uma questão de convenção.

Pergunto: o que é sobrenatural para você?

Antigamente para o homem, trovões e raios eram sobrenaturais, isso porque eles não entendiam o que eram, e a isso eles chamavam de sobrenatural. Isso não mudou, todos os seres humanos, independentes de sua corrente filosófica ou o tipo de conhecimento que se queira usar para adquirir o saber compartilham desse problema, a ciência não é diferente, ela compartilha desse problema ainda hoje. Vejam o exemplo:

Imagina que a milhões de anos-luz daqui, existe uma civilização muito mais avançada do que nós. Eles avançaram tanto o seu conhecimento que descobriram como não morrer, prolongando assim a vida de células de forma indeterminada, ou seja, são eternos!

Também aprenderam a burlar as leis da física, pois descobriram uma lei universal do tipo a que Einstein queria e desvendaram muitos segredos e agora eles conseguem voar e usar armas que nós nem sequer imaginamos. Isso para ciência, seria sobrenatural ou não?

Todas essas coisas deixariam de ser grandiosas caso fossem naturais? Assim, se o homem descobrir como surgiu a vida, ou se a complexidade irredutível não existir, ou se conseguirem fabricar um universo, isso não torna a criação menos grandiosa, apenas tornará natural algo que antes era julgado sobrenatural pelos investigadores, mas como já falei, isso é só questão de linguagem, nada tem a ver com a grandeza ou não do evento.


CONCLUSÃO

Para encerrar deixarei uma citação de um dos maiores teólogo Batista, Augustus Hopkins Strong, e outra de Santo Agostinho, que resumem bem o texto:
 "A lei natural sem Deus não é mais do que uma luva sem mão e tudo que se faz com a mão de Deus calçada na natureza, não é luva que faz, mas a mão[...]  Um livro não é escrito pelas leis de soletração e gramática, mas de acordo com tais leis".3

"Milagres não são contrários à natureza, mas apenas contrários ao que nós sabemos sobre a natureza."4



Por Francisco Tourinho


REFERÊNCIAS

1- Quando falo de Teoria do Design Inteligente, refiro-me ao movimento liderado por Philip Johnson, Meyer, Behe e cia, não confundir com Designer Inteligente defendido por Craig, Collins e cia. 

2- STRONG, A.H.Teologia Sistemática. Ed. rev. e amp. São Paulo: Hagnos.2007. pag. 150

3 - Ibid 2

4 - http://pt.wikiquote.org/wiki/Aur%C3%A9lio_Agostinho