22 de dezembro de 2014

Uma análise sobre o debate entre Antônio e Tourinho.

No dia de ontem (domingo), dia 21 de dezembro, aconteceu o debate entre eu e o Antônio da página "Detonando a Bíblia", e estou a passar a minha ótica sobre o debate. O debate está disponível no vídeo abaixo, o leitor poderá assistir e tirar suas próprias conclusões.




O tema do debate era "A Crença em Deus é racional?". Eu (Francisco Tourinho), comecei o debate e então abordei os conceitos de ateísmo, o princípio da aquisição do conhecimento através da hipótese do "Tudo é Movimento" de Heráclito de Éfeso e o absurdo e irracionalidade do mundo sem Deus de Albert Camus.

Depois o Antônio abordou as técnicas "Fé sem evidências" que foi devidamente respondida com várias referências que depois ficaram sem respostas. Depois abordou a técnica do "Amigo Imaginário" que foi devidamente respondida e não obtive tréplica, usou também a técnica da "pluralidade de religiões" que não foi respondida por falta de tempo e depois usou a técnica de que "Deus é mau na bíblia" que também ficou sem resposta por falta de tempo. Note também que praticamente todos os ataques do Antonio foi a religião cristã, não ao teísmo em geral, mostrando que ele nem sequer entendeu o título do debate.

Depois ele abordou a técnica de que o Universo veio do Nada em resposta a minha proposta do princípio da imutabilidade para aquisição do conhecimento. Um detalhe, a hipótese de Heráclito foi usada para uma questão de epistemologia no debate, nada tinha a ver com cosmologia, então o "Universo ter vindo do nada", não tem lógica alguma aplicada ao debate, seria como eu dizer que meu carro é preto no meio do debate, não significa absolutamente nada, a única lógica é a de que o Antônio não entendeu o argumento, assim como também não falou coisa alguma do "absurdo de Albert Camus", pois também não conhecia o autor nem conhecia o argumento, e apesar de ter tratado dos conceitos de ateísmo, não falou nada para dizer porque o ateísmo era mais racional dentro do argumento.

Outro ponto a ser considerado é que todas as minhas teses foram devidamente referenciadas, enquanto o Antonio não usou uma referência sequer, usou muito de apelo ao ridículo e de apelo ao sentimento, usando argumento emocionais e não lógicos.


CONCLUSÃO

Gostei da minha participação no debate, mas fui tolo ao subir demais o nível a ponto do adversário nem seu público entender meus argumentos, como não fui bem compreendido, alguns falaram do que não entendem.

Quem quiser conhecer sobre o argumento de Heráclito e o da basicalidade da fé ele está exposto nesse link:
http://questoesultimas.blogspot.com.br/2014/01/existem-provas-da-existencia-de-deus.html


P.S.: Ouvi dizer que o argumento do "Universo veio do nada" é um argumento poderoso dentro do ateísmo, infelizmente para eles, esse é um argumento que é muito bem respondido aqui no blog.

http://questoesultimas.blogspot.com.br/2014/04/vindo-o-universo-do-nada-mostra-que.html

http://questoesultimas.blogspot.com.br/2013/01/a-fisica-quantica-contradiz-o-argumento.html

19 de setembro de 2014

A relação entre o Mito da Terra Plana e a defesa do Darwinismo



Aprendemos exaustivamente na escola, principalmente no ensino fundamental e médio que a ciência do período medieval acreditava que a Terra era plana, logo em seguida vem os escárnios e a proposição de que os cristãos são inimigos da ciência e do progresso. Para o historiador Jeffrey Burton Russell da Universidade da Califórnia isso foi um erro forjado no século XVIII com o intuito de ridicularizar os cristãos, em uma guerra contra o criacionismo, (as mentiras vem desde esse tempo, imagina quantas outras a gente teve que engolir ou engolimos ainda hoje) e já foi corrigido, veja o que esse historiador escreveu em seu paper:

"Ainda estou espantado com que parece à primeira vista. Ninguém antes da década de 1830 acreditava que as pessoas medievais pensavam que a Terra era plana. A idéia foi estabelecida, quase contemporaneamente, por um francês e um americano, entre os quais eu não tenho sido capaz de estabelecer uma conexão, embora ambos estavam em Paris, ao mesmo tempo. Um deles foi Antoine-Jean Letronne (1787-1848), um acadêmico de fortes preconceitos anti-religiosos que havia estudado geografia e patrística e que inteligentemente se baseou tanto para deturpar os pais da igreja e seus sucessores medievais como acreditar em uma Terra plana, em seu On os cosmographical Ideas dos Padres da Igreja (1834).

"O norte-americano não era outro senão o nosso querido contador de histórias Washington Irving (1783-1859), que adorava escrever ficção histórica, sob o pretexto da história. Suas deturpações da história do início de Nova York e da vida de Washington foram encimado por sua história de Cristóvão Colombo (1828). Foi ele quem inventou a imagem indelével do jovem Columbus, um "marinheiro simples", aparecendo diante de uma multidão escura de inquisidores e teólogos ignorantes encapuzados em um conselho de Salamanca, os quais acreditavam, de acordo com Irving, que a Terra era plana como uma placa. Bem, sim, houve uma reunião em Salamanca em 1491, mas a versão de Irving dela, para citar a moderna historia que distingue Colombo, foi fantasia pura. Washington Irving, farejando sua oportunidade para uma cena pitoresca e comovente," criou uma fictícia conta deste "conselho universitário inexistente" e "deixou sua imaginação ir completamente ... toda essa história é um absurdo enganosa e maliciosa".

"Mas agora, por que os falsos relatos de Letronne e Irving tornou-se difundida e depois, já em 1860, começa a ser servido nas escolas e nos livros escolares como a solene verdade? A resposta é que a mentira sobre a terra esférica se tornou uma parte colorida e inesquecível de uma mentira maior: a falsidade da eterna guerra entre a ciência (bom) e religião (ruim) ao longo da história ocidental.

"Esta vasta rede de falsidade foi inventado e propagado pelo historiador influente John Draper (1811-1882) e muitos seguidores de prestígio, como Andrew Dickson White (1832-1918), o presidente da Universidade de Cornell, que fez com que a conta falsa fosse perpetrados em textos, enciclopédias, e bolsa mesmo supostamente sério, até os dias de hoje. A versão atual animada da mentira pode ser encontrado em Daniel Boorstin de descobridores, encontrados em qualquer livraria ou biblioteca.

“A razão para promover tanto a mentira específicas sobre a esfericidade da Terra e da mentira generalizada de que a religião e a ciência estão em conflito natural e eterna na sociedade ocidental, é defender o darwinismo. A resposta é realmente apenas um pouco mais complicado do que a declaração careca. A mentira terra plana era munição contra os criacionistas. O argumento era simples e poderoso, se não elegante: "Veja como esses cristãos são estúpidos Eles estão sempre ficando no caminho da ciência e do progresso Essas pessoas que negam a evolução hoje são exatamente o mesmo tipo de pessoas como esses idiotas que para a.. menos mil anos negavam que a Terra era redonda. você consegue ser tão estúpido? "

Mas isso não é a verdade."1



“Letrone deu ao mito da Terra plana sua base história, Irving sua carga emocional. Mas o mito realmente ganhou a força que tem até hoje quando John Draper (1811-1882), um físico violentamente anti-católico, publicou em 1873 o livro "A História do conflito entre a Ciência e a Religião" utilizando o mito da Terra plana como exemplo de como as crenças religiosas eram estúpidas e atrasadas e necessariamente se opunham ao progresso da ciência. Através de Draper o mito da Terra plana chegou como verdade absoluta até o início do século XX, e só nos anos 20 começou a ser questionado.”2


CONCLUSÃO

Cientistas e religiosos medievais jamais acreditaram que a Terra era plana, isso foi criado por acadêmicos ateus para fazer marketing com suas ideias, esses sim foram os verdadeiros opositores da verdade na Ciência. Calúnias contra a oposição desde o seu nascimento!



REFERÊNCIAS




Por Francisco Tourinho

18 de setembro de 2014

PORQUE O DESIGNER DA TDI NÃO PODE SER O DEUS CRISTÃO

Muitos opositores do Design Inteligente constantemente tem atacado o movimento alegando ser ele apenas uma faceta religiosa do cristianismo e que o Designer seria o Deus cristão. A verdade é que isso é fruto da ignorância sobre o que se propõe o Design Inteligente, como o que se propõe o cristianismo em 2000 anos de teologia.

Para começar, para o cristianismo, Deus (Javé) criou absolutamente todas as coisas, tudo vivo e não vivo, o Universo visível e invisível. Como diz a Bíblia de Estudo Palavras Chaves Hebraico Grego, se referindo ao verso 1 de gênesis:

"Por sua livre e espontânea vontade, e por seu poder absoluto, Deus chamou o universo à existência, criando-o a partir do nada."

Por outro lado, os proponentes do DI não advogam que tudo tenha sido criado pelo Designer, mas que apenas algumas características do Universo são melhor explicadas como fruto de uma mente inteligente:

“O design inteligente (ID) é a visão de que é possível inferir a partir de evidências empíricas de que "certas características do universo e dos seres vivos são melhor explicadas por uma causa inteligente, e não um processo não-direcionado como a seleção natural " O design inteligente não pode ser inferida a partir da complexidade sozinho, uma vez que padrões complexos, muitas vezes acontecem por acaso. ID foca apenas os tipos de padrões complexos que na experiência humana, são produzidos por uma mente que concebe e executa um plano. De acordo com os adeptos, o design inteligente pode ser detectado nas leis naturais e estrutura do cosmos, mas também pode ser detectada em pelo menos algumas características de coisas vivas.”


Em segundo lugar, na Teologia tradicional cristã, a Natureza não pode servir de parâmetro para alegar a existência do Deus cristão, simplesmente porque ao observar a Natureza o homem jamais poderia chegar a conclusão de que existe um Deus de infinita bondade e amor como o Deus cristão, seria um tiro no pé! 

Começando por um Universo grande, vazio e indiferente a nós, totalmente hostil à vida, permeado de uma ordem certamente, mas essa ordem não diz nada a respeito do caráter bondoso do Deus cristão. Aqui na Terra, a Natureza também é hostil, a própria seleção natural nos dá um sentido de competição e sobrevivência do mais forte, some isso aos desastres naturais e os sofrimentos naturais, uma criatura já nasce em sofrimento, vive em competição e lutando por sua vida e acaba morrendo, muitas vezes para alimentar outro animal, o predador, para que esse viva e tenha um momento de felicidade totalmente alicerçada na desgraça de outro.

Baseado nisso, Pascal diz:
“Fico surpreendido com a audácia com que algumas pessoas se encarregam de falar sobre Deus. Num tratado dirigido a ímpios, elas começam com um capitulo provando a existência de Deus mediante as obras da Natureza... isto apenas confere aos leitores base para pensar que as provas de nossa religião são muito fracas... É notável o fato de que nenhum escritor canônico jamais fez uso da Natureza para provar Deus.”

PASCAL. Pensées, 4, 242. 243, apud LEWIS C.S., O Problema do Sofrimento, pág 6.

Baseado nisso, a cristianismo mostra de forma clara porque o Deus cristão não foi criado pelo homem, ou seja, é impossível para o homem, observando a Natureza e o Universo, chegar a um Deus como os atributos do Deus cristão. Por isso dizemos que Deus de fato se revelou ao Homem, pois seria impossível para o Homem criar um Deus totalmente antagônico à Natureza, ao Universo e ao próprio Homem. 

Mas para os proponentes do DI, o Designer suporta todas os problemas vistos hoje na Natureza e pode-se inferir dela mesma, o Designer não é perfeito nem precisa ser todo poderoso, ou seja, enquanto o Deus cristão não pode ser conhecido através da Natureza, é todo poderoso e infinito em misericórdia e bondade, o Designer deve necessariamente ser inferido da Natureza, não precisa ser todo poderoso e pode ser totalmente indiferente em relação a todo projeto, tornando assim os dois totalmente antagônicos e derrubando assim a acusação de que o Designer é o Deus cristão.


CONCLUSÃO

"Que nossa civilização fez isso, ninguém pode negar; que ela desaparecerá como todas as que a precederam, é bastante provável. Mesmo que isso não aconteça, e então? A raça está condenada. Toda raça que surge em qualquer parte do universo está condenada;pois o universo, segundo dizem, está cansado, e irá transformar-se um dia em uma infinidade uniforme de matéria homogênea a baixa temperatura. Todas as histórias acabarão em nada: toda vida se mostrará no final como sendo apenas uma contorção transitória e sem sentido sobre a face idiota da matéria infinita. Se você me pedir para acreditar que esta é a obra de um espírito benevolente e onipotente, replico que toda evidência aponta na direção oposta. Ou não existe espírito por trás do universo, ou então existe um espírito indiferente ao bem e ao mal, ou seja, um espírito perverso.

"Existe uma pergunta que jamais pensei em fazer. Nunca notei que a própria força e simplicidade do caso dos pessimistas nos colocava imediatamente diante de um problema.

"Se o universo é mau, ou mesmo um tanto mau, como foi possível aos seres humanos atribui-lo à atuação de um Criador sábio e bondoso? Os homens são tolos, talvez; mas não tão tolos assim. A inferência direta do preto para o branco, da flor do lodo para a raiz virtuosa, da obra sem sentido para um obreiro infinitamente sábio, faz vacilar a crença. O espetáculo do universo como revelado pela experiência jamais pode ter sido a base da religião: deve ter sempre sido algo a despeito do qual a religião, adquirida de uma outra fonte, foi mantida.

"Seria um erro replicar que nossos ancestrais eram ignorantes e portanto entretinham agradáveis ilusões sobre a natureza, as quais o progresso da ciência desde então dissipou.

"Durante séculos, em que todos os homens criam, o tamanho e o vazio do universo já eram conhecidos. Podemos ler em alguns livros que os homens da idade Média pensavam que a Terra era plana e que as estrelas estavam próximas, mas isso é uma mentira. Ptolomeu lhes dissera que a Terra era um ponto matemático sem tamanho em relação à distância das estrelas fixas - uma distância que um texto popular medieval estima como sendo de cento e dezessete milhões de milhas. E em tempos ainda mais antigos, mesmo no início, os homens devem ter tido a mesma sensação de imensidade hostil de uma fonte ainda mais óbvia.

"Para o homem pré-histórico, a floresta circundante deve ter sido suficientemente infinita, e aquilo que era sobremaneira estranho e inquietaste, que temos de buscar na ideia de raios cósmicos e sóis sem calor, vinha fungar e uivar toda noite à sua porta. O sofrimento e desperdício da vida humana foi com certeza igualmente óbvio em todos os períodos. Nossa própria religião começa entre os judeus, um povo espremido entre grandes impérios guerreiros, continuamente derrotado e aprisionado, familiarizado com a Polônia ou a Armênia com a trágica história dos vencidos. Não passa de tolice colocar o sofrimento entre as descobertas da ciência.

"Em toda época, então, uma inerência a partir do curso dos acontecimentos neste mundo até a bondade e sabedoria do Criador teria sido igualmente descabida; e jamais foi feita. A religião tem uma Origem diferente.”
[...]

“Ao que parece então, só existiam dois pontos de vista que podemos manter com relação à reverência. Ou se trata de uma simples distorção da mente humana, que não corresponde a nada objetivo e não serve a nenhuma função biológica, mas que não mostra qualquer tendência de desaparecer dessa mente, mostrando-se no seu mais pleno desenvolvimento no poeta, filósofo ou santo; ou, por outro lado, se trata de uma experiência direta daquilo que é verdadeiramente sobrenatural, a que pode ser apropriadamente dado o nome de Revelação.”


LEWIS, C. S. O Problema do Sofrimento. Pág 7-9.


Por Francisco Tourinho

16 de setembro de 2014

Debate sobre a descriminalização do aborto termina como sempre, supreme victory para os defensores da vida!

Nesse vídeo, o professor Glauco Guimarães da Universidade de Fortaleza detona defensora da morte (ops, aborto).

https://www.youtube.com/watch?v=D-92twXFo0M

(infelizmente não consegui postar o vídeo aqui, algum problema técnico, depois tentarei resolver isso, por enquanto será necessário o leitor assistir direto no youtube)

Os defensores do aborto com seus argumentos manjados e sem base lógica alguma, tem constantemente perdido os debates aqui no Brasil, e mais uma vez os defensores da vida mostram porque a descriminalização do aborto é danosa para a mulher e o nosso país.


Já sabemos que táticas sujas foram usadas para legalizar o aborto nos EUA.
http://questoesultimas.blogspot.com.br/2014/02/a-desonestidade-dos-apologistas-do.html

Descubra também um pouco mais sobre o Estatuto do Nascituro e o porquê não ser uma bolsa estupro.
http://questoesultimas.blogspot.com.br/2013/07/sera-o-estatuto-do-nascituro-uma-bolsa.html


CONCLUSÃO

Ficarei com a citação do professor Glauco:

"Defender que é contra o aborto mas a favor da legalização e regulamentação do aborto, seria como dizer que somos contra o homicídio mas a favor da legalização e regulamentação do homicídio, de que situações se pode matar e de que maneiras pode isso acontece, ao meu ver isso não faz sentido, seria disciplinar a selvageria mas mantendo a selvageria".

Por Francisco Tourinho

7 de julho de 2014

Respondendo ao Paradoxo da Pedra!

“Deus pode construir uma pedra que Ele mesmo não possa levantar?” Essa é uma pergunta que alguns neoateus fazem para poder se desfazer da onipotência de Deus, logo, se você responder que sim, então o debatedor dirá: “mas ele não vai poder levantar a pedra, logo, ele não é onipotente” e se você responder que não, então ele dirá: “então ele não pode construir, logo ele não é onipotente”. É claro que é o tipo de pergunta falaciosa, primeiro porque esse Deus que pode todas as coisas independente de qualquer contexto, não se trata do Deus cristão. A própria Bíblia diz que Deus não pode mentir ou se arrepender1 , ou seja, o Deus cristão não pode fazer todas as coisas. C.S. Lewis amplia ainda mais o conceito dizendo:

“A sua onipotência significa poder para fazer tudo que é intrinsecamente possível, e não para fazer o que é intrinsecamente impossível. É possível atribuir-lhe milagres, mas não tolices. Isto não é um limite ao seu poder. Se disser: "Deus pode dar a uma criatura o livre-arbítrio e, ao mesmo tempo, negar-lhe o livre-arbítrio" não conseguiu dizer nada sobre Deus: combinações de palavras sem sentido não adquirem repentinamente sentido simplesmente porque acrescentamos a elas como prefixo dois outros termos: "Deus pode". Permanece verdadeiro que todas as coisas são possíveis com Deus: as impossibilidades intrínsecas não são coisas mas insignificâncias (praticamente não existem). Não é possível nem a Deus nem à mais fraca de suas criaturas executar duas alternativas que se excluem mutuamente; não porque o seu poder encontre um obstáculo, mas porque a tolice continua sendo tolice mesmo quando é falada sobre Deus.”2

São Tomas de Aquino diz que:

“Nada que implique em contradição se encontra debaixo da onipotência de Deus.”3


Assim o paradoxo da pedra é apenas um jogo de palavras que não faz sentido algum, e não ganha sentido só porque é acompanhada por um "Deus pode". Um quadrado redondo, uma superfície totalmente preta e totalmente branca, coisas desse tipo simplesmente não existem!

Se o poder de Deus é infinito, criar uma pedra que ele não pudesse levantar era criar algo maior que o infinito, só que "infinito + 1" continua sendo infinito, e "infinito/2" continua sendo infinito, logo, é de uma inconsistência lógica terrível! É apenas um jogo de palavras sem sentido e em nada abala a onipotência de Deus, não no significado cristão.


CONCLUSÃO

O que acontece na situação é a famosa técnica “O Deus dosPalpiteiros”4 citada por Olavo de Carvalho, no qual eu indico a leitura, em que os neoateus fabricam um deus para eles e o refutam, depois disso, dizem que refutaram o Deus cristão, quando na verdade, mostraram inconsistências de um deus que eles mesmos criaram, não do Deus cristão.


REFERÊNCIAS
1-      Números 23.19
2-      LEWIS. C.S. O problema do Sofrimento. Pág 13-14. Disponível em: http://sumateologica.files.wordpress.com/2009/07/c-s-lewis-o-problema-do-sofrimento.pdf. Acesso em 07 jul 14.
3-      TOMÁS DE AQUINO. Samm Tbeoi., I.a Q XXV, Art. 4. Apud LEWIS. C.S. O problema do Sofrimento. Pág 12. Disponível em: http://sumateologica.files.wordpress.com/2009/07/c-s-lewis-o-problema-do-sofrimento.pdf. Acesso em 07 jul 14.

4-      CARVALHO, O. O Deus dos Palpiteiros. Dário do Comércio, 18 mar 2009. Disponível em: http://www.olavodecarvalho.org/semana/090318dc.html. Acesso em 07 jul 14. 

  Por Francisco Tourinho

6 de julho de 2014

Bill Gates ateu? Derrubando mais uma jogada neoateia!




Bill Gates tem se tornado o queridinho dos neoateus (falo dos neoateus, porque ateus tão pouco se importando com militância) que adoram citá-lo como exemplo de bondade sem Deus. Como um dos argumentos usados para corroborar a existência de Deus, sobretudo do Deus cristão, é o da moral objetiva, (muitos neoateus confundem o argumento da moral objetiva que diz que “bom e mau não existem sem Deus” e também diz que “não podemos ser bons sem Deus”, com “não posso ser bom sem acreditar em Deus”, é claro que teólogo nenhum afirmou que a pessoa deve acreditar em Deus para ser boa, o que alguns teólogos afirmam é que não existe bondade sem Deus), então vários deles usam Bill Gates como exemplo de ateu que é filantropo e consequentemente uma pessoa boa.

Mas uma entrevista à revista Rolling Stone, na sua edição de março de 2014, Gates faz algumas declarações surpreendentes, que de longe um neoateu faria, com essa declaração posso dizer que ele até pode ser ateu, mas que namora com a ideia do teísmo, isso com certeza,
e está muito, mas muito longe mesmo de ser um neoateu militante como os tipos que vemos por aí na ATEA.

Vamos à entrevista:

"Você é um técnico, mas muito do seu trabalho agora com a fundação tem uma dimensão moral. Tem o seu pensamento sobre o valor da religião mudou ao longo dos anos?
Os sistemas morais da religião, eu acho, são superimportante. Criamos nossos filhos de uma forma religiosa; eles foram para a igreja católica que Melinda vai e eu participo também. Eu tenho muita sorte, e, portanto, eu devo retribuir isso tentando reduzir a desigualdade no mundo. E isso é um tipo de crença religiosa. Quero dizer, é, no mínimo, uma crença moral.


Você acredita em Deus?
Concordo com pessoas como Richard Dawkins que a humanidade se sentiu a necessidade de mitos da criação. Antes de realmente comecei a entender a doença e que o tempo e coisas assim, buscamos explicações falsas para eles. Agora a ciência preencheu alguns do reino - não todos - que a religião usada para preencher. Mas o mistério e a beleza do mundo é esmagadoramente incrível, e não há nenhuma explicação científica de como ele surgiu. Dizer que ele foi gerado por números aleatórios, que parece, você sabe, uma espécie de visão sem caridade [ risos ]. Acho que faz sentido acreditar em Deus, mas exatamente qual decisão em sua vida te faz diferente por causa disso, eu não sei."


Referências

26 de junho de 2014

Países mais desenvolvidos são ateus... Desmascarando mais uma mentira neo-ateia!

Sempre que se fala sobre a controvérsia Ateísmo vs Teísmo, principalmente o cristão, então logo aparece algum militante dizendo que os países mais modernos e desenvolvidos do mundo tem sua maioria da população sendo ateísta. Por muito tempo, eu mesmo aceitei isso como verdade, mas depois de pesquisar um pouco mais, percebi que devemos ter um pouco de cautela ao avaliar os dados. Um dos problemas encontrado em algumas pesquisas é que a pergunta não é se você é ateu, mas se o indivíduo não tem religião, ora, mas um indivíduo sem religião não quer dizer que seja ateu, quer dizer apenas que não está filiado à alguma instituição religiosa, podendo acreditar em Deus como em alguma “força superior”. E é exatamente isso que mostram as pesquisas.
Então, vamos aos dados ou desmascarando mais uma mentira neoateia!

Segundo pesquisa do Eurobarometer: 
- Ateus na Suécia 34%
- Ateus na Noruega 29%
- Ateus na Dinamarca 24%
- Ateus na Bélgica 27%
- Ateus na Finlândia 22%
- Ateus na Islândia 18%
- Ateus na Suíça 11%
- Ateus na Irlanda 5%
- A União Europeia como um todo tem apenas 20% de ateus positivos.

Os índices apontados acima, é o percentual de pessoas que confessam um ateísmo positivo, ou seja, que alegam não existir Deus algum ou absolutamente nada de natureza metafísica.

Extrai uma tabela do próprio documento em pdf, , página 381, já nos anexos, quase no final do documento, mas é uma tabela ruim de se olhar:




Mas puxei a mesma tabela no site da Wiki, que está bizurada e fiz o print dela em português, para facilitar a leitura:





- A maioria dos europeus se declaram cristãos, divididos entre as três vertentes: catolicismo romano, protestante e ortodoxa.

- Esse outro estudo de 2011 mostra que 76,2% dos europeus se consideravam cristãos:

Alguns dados interessantes:

65,9% dos suecos são membros da Igreja da Sueca.

O site da embaixada sueca fala em 80%

77,2% da população são membros da Igreja da Noruega

78% da população Dinamarquesa fazem parte da Igreja Nacional de lá.

Agora você pode ter notado alguma incongruência com os dados, como exemplo podemos citar o caso da Suécia em que foi apresentado o dado de 34% de ateus positivos, quando a embaixada sueca diz que 80% das pessoas lá são filiadas a igreja luterana. Isso acontece porque a pessoa quando nasce é filiada a Igreja, para o caso de necessitar futuramente de algum serviço religioso como uma palavra em um funeral, casamento etc. Algo interessante é que muitos ateus se mantém filiados (pela diferença daria 14%), para caso necessitem de algum serviço desse tipo, ou seja, outro nível de ateísmo, absolutamente nada parecido com as sessões de desbatismo promovidos pela ATEA aqui. Assim também são em todos os outros países em que os dados foram diferentes, de forma que há vários ateus filiados a instituições religiosas. O mesmo acontece na Noruega.

Phil Zuckerman, sociólogo ateu e linha frente no combate à religião, fala que apenas 10% dos noruegueses, 19% dos franceses, 20% dos Checos se declaram como ateus positivos!

Agora vou dar mais um choque de realidade, a saber, os países mais ateus do mundo estão longe ser aqueles com maior IDH:

Vietnã tem 81% de "ateus"!
China com 59% de ateus!

No Canadá, só 23% são ateus. 72% dos canadenses acreditam em um deus.
Nos EUA, a nação mais poderosa e mais democrática do mundo, somente 8% das pessoas declararam não acreditar em um deus.


CONCLUSÃO


Cai a mentira de que os países europeus tem como sua maioria cidadãos ateus, os mesmos são minoria em praticamente toda a Europa, sendo que se destacam somente em Estados ex-comunistas.

26 de abril de 2014

Porque cristãos não são uma minoria ditadora - desmascarando mais uma mentira neoateia!




Praticamente em todos os debates sobre política que temos, sempre aparece um limítrofe com um comentário dessa natureza, é sempre o mesmo discurso: “evangélicos são ditadores”, “evangélicos querem tomar o poder”, “evangélicos são uma minoria” e blá, blá, blá...

Toda vez que o assunto é aborto, homossexualidade, liberação da maconha e assuntos afins, se você não for a favor, prepare-se para o patrulhamento ideológico! São argumentos como esses da foto que mostram a ignorância desses ateus geração Toddynho.

Mas o que eles não sabem, é que (do vídeo no link) “Segundo pesquisa de IBOPE, 50% dos ateus entrevistados declararam-se pela decência, contra o homossexualismo. No entanto, a maioria deles fica omisso nas discussões que diz respeito as questões de moral, de ética, de família. Como se tais coisas fossem monopólio da religião. Os ateus que vemos na grande maioria dos blogs e sites são a banda podre, aqueles que resolvem virar ateus só porque querem "liberar geral", tocando um "foda-se" para o mundo e o futuro da humanidade. Dessa forma, quem procura o conteúdo ateísta na internet, só encontra a banda podre. Sendo assim, o que vcs(sic) acham de criarmos uma espécie de aliança secular pelos bons costumes, pela decência, pela família, encabeçada por nós da Planeta Ateu?"

Artigo que demonstra a pesquisa do IBOPE:


O vídeo feito pela Aliança Secular pela Família mostra claramente isso, detalhe, os caras SÃO ATEUS! Isso mesmo, mas como o próprio vídeo diz – “Os ateus que vemos na grande maioria dos blogs e sites são a banda podre, aqueles que resolvem virar ateus só porque querem "liberar geral", tocando um "foda-se" para o mundo e o futuro da humanidade. Dessa forma, quem procura o conteúdo ateísta na internet, só encontra a banda podre.” Isso é tão verdade que os fatos falam por si só.
Segundo lugar, os ateus no Brasil é que são minoria, o Brasil é um país de maioria cristã e dos ateus que existem, metade deles são contra esse tipo de valor, logo sobrou quase nada para eles. Agora pense comigo: baseado nisso quem é a minoria que quer impor suas ideologias sobre a maioria?

Como diria Lenine
Lenin: “Acuse os adversários do que você faz, chame-os do que você é!”

Falando em Lenine, lembro-me de alguns fatos históricos bem pertinentes para nosso texto:
1-      Cristãos nunca disseram que homossexualidade era doença, para o cristianismo, homossexualidade sempre foi uma opção, quem tratou a homossexualidade como doença, perseguiu e matou, foram ideologias ateias como o comunismo. Com a criação da República Popular da China em 1949, a tolerância da sociedade em relação a homossexualidade foi praticamente eliminada e a prática da homossexualidade tornou-se ilegal. O regime comunista perseguiu duramente os homossexuais, especialmente durante a Revolução Cultural. Os líderes comunistas chineses consideravam a homossexualidade como uma perversão do capitalismo e, portanto, uma prática contra a revolução que devia ser eliminada da sociedade. Embora não houvesse uma lei específica que enquadrasse a homossexualidade como um crime, os acusados de práticas homossexuais eram condenados a penas severas, incluindo a castração ou até mesmo a pena de morte, foram utilizadas uma série de leis vagas destinadas a manter a ordem social. A homofobia do regime também foi imposta pelas políticas sociais de casamentos forçados e medidas de ostracismo.

2-      O nazismo tentou curar gays com apoio da COMUNIDADE CIENTÍFICA, não da Igreja!

3-      Táticas sujas foram usadas para a legalização do aborto nos EUA.


CONCLUSÃO


Como diria o Senador Mão Santa: “ A ignorância é audaciosa”, ou esse povo é muito ignorante ou é muito desonesto. Na minha opinião, é um pouco dos dois, variando um pouco na régua que mede isso, uns mais desonestos, outros mais ignorantes.


Por Francisco Tourinho

10 de abril de 2014

VINDO O UNIVERSO DO NADA MOSTRA QUE DEUS NÃO EXISTE?


Recebi um comentário na minha caixa de mensagens perguntando (a identidade do mensageiro foi preservado, por isso apagado da foto):
- God is died? 


Pelo contrário, confirma mais ainda a segunda premissa do argumento cosmológico que aposta no início do Universo.
Primeiramente devemos diferençar o nada quântico do nada absoluto. Acredito que essa informação seja importante, pois de acordo com o artigo enviado, me pareceu ser mais uma daquelas amostras de como a matéria pode surgir do vácuo quântico. Mas como não sou físico e sim teólogo, o artigo a seguir vai abranger as duas possibilidades.

ONTOLOGIZANDO O NADA

Quando se fala "do nada, nada vem" está-se a falar do nada absoluto, aquele que não é material e também não é imaterial; o nada simplesmente não é. O nada absoluto é justamente aquilo que não tem NENHUM predicado positivo. Justamente por isso ele não é algo ontológico. O nada não é o ser de nenhuma forma; ele é simplesmente o não-ser. Muitas vezes neo-ateus surgem falando que “o Universo surgiu do nada” sugerindo que ele surgiu do vácuo quântico. O que eles falham em perceber é que o vácuo quântico é um ente cheio de características; ele não é um ‘nada’, mas um mar de energia flutuante dotada de uma rica estrutura e sujeita a leis físicas de diversas espécies. O próprio fato do vácuo quântico ser estudado pela Ciência demonstra que ele tem um caráter ontológico, pois assim como a Ciência não pode estudar o ‘não-cachorro’ ou ‘não-humano’, ela não pode estudar o ‘não-ser’. Nesse caso, absolutamente coisa alguma positiva poderia se falar dele. Só poderíamos negar as suas características. Essa é a verdadeira definição do nada.


IMPLICAÇÕES TEOLÓGICAS

Por acaso se eu descobrir como se faz um carro, eu devo excluir o projetista?
É uma pergunta básica, mas que não é feita com o devida colocação. "FRANCES POWER COBBE diz: "É singular o fato de que, sempre que achamos como se faz uma coisa, nossa primeira conclusão parece indicar que não foi Deus que fez".

A. H. STRONG diz:  "princípio operante de toda a ciência, a saber, que todas as coisas têm seu uso, que a ordem permeia o universo e que o métodos da natureza são racionais. Evidências disso aparecem na correlação dos elementos químicos uns com os outros; na adequação do mundo inanimado que é a base e suporte da vida; nas formas típicas e na unidade do plano que aparece na criação orgânica; na existência e cooperação das leis naturais; na ordem cósmica e compensações. Como diria KANT: "O anatomista deve admitir que nada no homem existe em vão."

Continua STRONG: "A casa não requer nenhum arquiteto porque é construída por pedreiros e por carpinteiros? A lei natural sem Deus não é mais do que uma luva sem mão e tudo que se faz com a mão de Deus calçada na natureza, não é luva que faz, mas a mão[...] Um livro não é escrito pelas leis de soletração e gramática, mas de acordo com tais leis".

Recentemente, explodiu nos blogs por aí a "descoberta" de que o Universo veio do Nada, é claro que isso é apenas uma representação do que foi visto, mas não há motivos para descartar um criador, simplesmente porque os teístas acreditam que Deus criou todas as coisas a partir do NADA!

Vejamos o comentário da Bíblia de Estudo Palavras Chaves Hebraico Grego, se referindo ao verso 1 de gênesis:
"Por sua livre e espontânea vontade, e por seu poder absoluto, Deus chamou o universo à existência, criando-o a partir do NADA" (grifo meu).

Russel SHEDD comenta sobre Gn 1. 21, 22  na bíblia de estudo Shedd:
"O poder de Deus demonstrado na criação de toda criatura do nada(ex nihilo), continua em forma derivada na procriação autônoma das suas criaturas."

Bíblia de Estudo da Mulher explicando o verso 1 de Gênesis:
"O verbo "criou" (hebr. bara', lit. 'criar a partir do nada') as outras palavras para a ação criativa de Deus são 'fez' (hebr 'asah)... 'formou' (hebr. yatsar...) e transformou (hebr. banah lit. construir)."

O que é interessante é que até poucos dias atrás, muitos céticos agarravam-se na visão de Aristóteles do "universo eterno" sem início ou fim, justamente porque a teoria do big bang se encaixa exatamente com a descrição bíblica de que o Universo teve um começo, portanto não é eterno e que surgiu a partir do nada. A ideia do universo eterno e variantes posteriores do mesmo estão agora profundamente desacreditadas.

O mais pessimista crítico bíblico, diz que o gênesis foi escrito por volta do séc. VI a.C, mas a história oral é bem mais antiga. É cômico como uma notícia como essas se torna algo tão surpreendente para o não cristão, pois os autores bíblicos já falavam isso desde (no mínimo) o séc. VI a.C.

Ou seja, enquanto os cristãos sabem desde o seu nascimento que o Universo veio do nada, ateus se surpreendem com a notícia e ainda fazem alarde como se isso fosse teologicamente inconsistente e como se isso fosse novidade, é de dar pena!


Como diria o cosmólogo Alan Sandage:

“A astronomia nos conduz a um evento único, um universo que foi criado a partir do nada, com o delicado equilíbrio necessário para proporcionar as condições exatas que permitem a vida, e que tem um plano de fundo (diga-se ainda, sobrenatural). Assim, as observações da ciência moderna parecem conduzir às mesmas conclusões que as crenças de centenas de anos a cerca da criação.”


CONCLUSÃO

Embora a Teoria do Big Bang se proponha a dizer como foram feitas as coisas, não quer dizer que conhecendo o processo não foi Deus que fez.
Pelo contrário, a Teoria do Big Bang se ajusta totalmente ao relato bíblico de que o universo foi criado.

Como diria Robert Jastrow, astrônomo:
"Para o cientista que vive pela sua fé no poder da razão, a história termina como um pesadelo. Ele escalou as montanhas da ignorância; está a ponto de conquistar o pico mais alto; à medida que ele chega à rocha final, ele é cumprimentado por um bando de teólogos que estavam sentados lá há séculos."


Por Francisco Tourinho

19 de março de 2014

Cuidado Cristãos! Denunciem, não sejam coniventes com os filhos do Diabo!


Cristãos, venho através desse post fazer um apelo a todo cristão verdadeiro, DENUNCIEM esse tipo de prática, boicotem cantores e ministros que compartilhem com essa ideia, façamos um contra-ataque a essa heresia maldita que está assolando nosso país e acabando com a imagem dos cristãos nessa nação.

Esse vídeo mostra em que situação a Igreja está se encontrando, mostra de forma escancarada o amot ao dinheiro pregado pela maldita TEOLOGIA DA PROSPERIDADE. Cortem o mal pela raiz! Não é hora de pular, cantar e correr, é hora de arregaçar as mangas e lutarmos por uma sã doutrina cristã!

A você que não é cristão, o que você está vendo no vídeo acima, não é cristianismo, isso é um lixo, são filhos do Diabo, adoradores de Mamon, não adoradores de Cristo. O Apóstolo São João diz que os discípulos de Cristo seriam reconhecidos pelo amor, não pelas suas posses.

“Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis.
Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros.
(João 13.34-35)

O seguidor de Jesus também sofre, o mesmo disse:

“no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo.”
(João 16:33)

Ele mandou carregar a sua cruz, não o trono:

"E dizia a todos: Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome cada dia a sua cruz, e siga-me."
Lucas 9:23

Quem não lembra da história do homem que passou a vida inteira juntando riquezas contada em Lucas 12?

"15 E disse-lhes: Acautelai-vos e guardai-vos da avareza; porque a vida de qualquer não consiste na abundância do que possui.
16 E propôs-lhe uma parábola, dizendo: A herdade de um homem rico tinha produzido com abundância;
17 E arrazoava ele entre si, dizendo: Que farei? Não tenho onde recolher os meus frutos.
18 E disse: Farei isto: Derrubarei os meus celeiros, e edificarei outros maiores, e ali recolherei todas as minhas novidades e os meus bens;
19 E direi a minha alma: Alma, tens em depósito muitos bens para muitos anos; descansa, come, bebe e folga.
20 Mas Deus lhe disse: Louco! esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será?
21 Assim é aquele que para si ajunta tesouros, e não é rico para com Deus."

O homem pode ser rico, não há problemas nisso, o problema está em associar a riqueza a presença de Deus ou não. Os homens mais ricos do mundo são incrédulos, se riqueza fosse sinal de bênção de Deus, cristão nenhum passaria necessidade.


CONCLUSÃO

Lembremos das palavras de São Paulo a Timóteo em 1Tm 6:

"9 Mas os que querem ser ricos caem em tentação, e em laço, e em muitas concupiscências loucas e nocivas, que submergem os homens na perdição e ruína.
10 Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda a espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores.
11 Mas tu, ó homem de Deus, foge destas coisas, e segue a justiça, a piedade, a fé, o amor, a paciência, a mansidão.
12 Milita a boa milícia da fé, toma posse da vida eterna, para a qual também foste chamado, tendo já feito boa confissão diante de muitas testemunhas."

18 de março de 2014

Teístas e Ateístas podem estar errados – Quando a Teoria do Design Inteligente é prejudicial ao debate Teológico


Acredito que possa existir um erro em relação a algumas interpretações da natureza e suas conclusões teológicas, alguns argumentos, baseados em ciência, não devem ser usados como alicerce de um arrazoado para a existência de Deus, simplesmente porque o argumento em questão é instável demais para tirar conclusões teológicas baseadas nele.

Por exemplo, tenho visto teístas usarem argumentos como a Complexidade Irredutível e a dificuldade do homem de gerar uma vida de forma natural como prova de que Deus existe. Cuidado amigos, isso é uma BOMBA RELÓGIO!

Veja que se os proponentes do Design Inteligente advogam que isso é uma ciência, então deverão estar abertos a total possibilidade de estarem errados, exatamente porque não se pode ter certezas absolutas em ciência, ou seja, se a complexidade irredutível for algo científico, essa poderá cair a qualquer momento e o teísta acabará por sair envergonhado em seu discurso, diferente do argumento filosófico e teológico, onde não se há provas, tem-se paradigmas. Imagine que ao invés de criar algo pronto, Deus tenha na verdade criado leis que possibilitassem o surgimento de vida na terra, o argumento da complexidade irredutível cairá por terra mais cedo ou mais tarde, outra possibilidade é de descobrirem como estruturas julgadas complexamente irredutíveis foram formadas passo a passo.  

No caso da origem da vida, suponhamos que o homem consiga fabricar vida em laboratório, poderá surgir alguém como Dawkins e cia e dizer que não precisamos de Deus para mais nada, pois a vida é um processo natural e isso foi provado, mas a verdade é que se o homem conseguir produzir uma vida, Universo, seja lá o que for, não prova nada a não ser que o homem descobriu os mecanismos pelo qual isso funciona e isso em hipótese alguma refuta a ideia de Deus, pelo contrário, a ordem ali estabelecida mostra um planejador.

Por acaso o fato de eu saber como um carro é construído exclui a figura do projetista?

Como diria FRANCES POWER COBBE: “É singular o fato de que, sempre que achamos como se faz uma coisa, nossa primeira conclusão parece indicar que não foi Deus que fez”2. Logo é um engodo achar que se descobrirmos como algo funciona devemos automaticamente descartar Deus.

Então vejamos que se o teísta usar como argumento esse tipo de lacuna na ciência como evidência para a existência de Deus, o ateísta terá todo motivo para alegar a não existência de Deus através da anulação desse argumento. Nesse caso então, nem o teísta, tampouco o ateísta estão certos, pois estão discutindo sobre a base errada da questão.

Assim, sei que se um dia o homem conseguir fazer vida em laboratório, e acho que isso vai acontecer, vai ter uma cambada de teísta se jogando dos penhascos por causa de uma suposta prova da existência Deus ter sido derrubada.

Logo, acredito que nesse tipo de debate, nem os ateus nem os teístas estão certos, pois o argumento para a existência de Deus é a ordem, são as leis da natureza. Se existe uma ordem no universo, basta o homem descobrir essa ordem, essa lei, o mecanismo de como funciona, que obedece a uma lógica e tudo estará desvendado, seja o surgimento da vida ou de qualquer outra coisa. A grandeza do criador será manifestada quando a descoberta mostrar o tamanho da engenhosidade precisa para construir algo tão maravilhoso como a vida, universo etc.

Só o fato de ser tão difícil ao homem fazer isso acontecer, já mostra a ação de uma mente muito superior e o homem sensato facilmente chegará a essa conclusão, pois a ordem aí está, só não ver quem não quer, mas mesmo sem querer ver, esse homem terá que se utilizar desse conceito caso queira fazer ciência.


O teísta poderá até argumentar sobre a maravilha da criação debaixo da tese que a origem da vida de forma natural é altamente improvável e que isso exigiria condições criadas previamente para isso acontecer, mas não pode usar como base para a existência de Deus a impossibilidade de que a vida possa surgir de forma natural, pois se o homem tornar possível, o argumento cai por terra, mas o fato do homem tornar isso possível em um laboratório, não fará com que o surgimento da vida seja algo altamente provável, logo, o teísta poderá até usar a improbabilidade para mostrar como as leis que regeram aquele evento são tão magníficas que exige muito do homem a ponto dele demorar tanto para desvendar quais são e como se relacionam.

Lembre-se, que Deus fez vida surgir do pó, ora, Deus fez não vida ser vida, se o homem descobre como Deus fez a vida, então isso não descarta Deus, portanto o homem não pode alegar que a impossibilidade disso seja prova, mas a dificuldade disso acontecer, que implica em uma lei mais complexa o que aumenta a grandeza de Deus para aquele evento.


OUTRAS REFLEXÕES

Outro ponto que gostaria que compreendessem, é que um evento natural não é em nada menor que um sobrenatural, ou vice-versa, simplesmente porque essas palavras são apenas uma questão de convenção.

Pergunto: o que é sobrenatural para você?

Antigamente para o homem, trovões e raios eram sobrenaturais, isso porque eles não entendiam o que eram, e a isso eles chamavam de sobrenatural. Isso não mudou, todos os seres humanos, independentes de sua corrente filosófica ou o tipo de conhecimento que se queira usar para adquirir o saber compartilham desse problema, a ciência não é diferente, ela compartilha desse problema ainda hoje. Vejam o exemplo:

Imagina que a milhões de anos-luz daqui, existe uma civilização muito mais avançada do que nós. Eles avançaram tanto o seu conhecimento que descobriram como não morrer, prolongando assim a vida de células de forma indeterminada, ou seja, são eternos!

Também aprenderam a burlar as leis da física, pois descobriram uma lei universal do tipo a que Einstein queria e desvendaram muitos segredos e agora eles conseguem voar e usar armas que nós nem sequer imaginamos. Isso para ciência, seria sobrenatural ou não?

Todas essas coisas deixariam de ser grandiosas caso fossem naturais? Assim, se o homem descobrir como surgiu a vida, ou se a complexidade irredutível não existir, ou se conseguirem fabricar um universo, isso não torna a criação menos grandiosa, apenas tornará natural algo que antes era julgado sobrenatural pelos investigadores, mas como já falei, isso é só questão de linguagem, nada tem a ver com a grandeza ou não do evento.


CONCLUSÃO

Para encerrar deixarei uma citação de um dos maiores teólogo Batista, Augustus Hopkins Strong, e outra de Santo Agostinho, que resumem bem o texto:
 "A lei natural sem Deus não é mais do que uma luva sem mão e tudo que se faz com a mão de Deus calçada na natureza, não é luva que faz, mas a mão[...]  Um livro não é escrito pelas leis de soletração e gramática, mas de acordo com tais leis".3

"Milagres não são contrários à natureza, mas apenas contrários ao que nós sabemos sobre a natureza."4



Por Francisco Tourinho


REFERÊNCIAS

1- Quando falo de Teoria do Design Inteligente, refiro-me ao movimento liderado por Philip Johnson, Meyer, Behe e cia, não confundir com Designer Inteligente defendido por Craig, Collins e cia. 

2- STRONG, A.H.Teologia Sistemática. Ed. rev. e amp. São Paulo: Hagnos.2007. pag. 150

3 - Ibid 2

4 - http://pt.wikiquote.org/wiki/Aur%C3%A9lio_Agostinho

28 de fevereiro de 2014

A Tumba Perdida de Jesus é um Golpe Publicitário – diz arqueólogo!



A tumba de Talpiot foi uma tumba encontrada em 1980 no Lest Talpiot, que é um bairro da Jerusalém Oriental. A descoberta dessa tumba foi causa de grande alvoroço por causa da inscrição " Yeshua bar Yehosef " ("Jesus, filho de José") em um dos seus ossuários. Foram encontrados dez ossuários e seis com epígrafes.

Embora tenha sido descoberta em 1980, somente em 1994 foi publicado um trabalho a respeito e foi discutido em 1996 na Grã Bretânia. Já em 1996 foi ao ar na BBC um pequeno documentário falando sobre o assunto. Segundo Amos Kloner, o primeiro arqueólogo a examinar o local, as reivindicações de uma conexão com Jesus não pode ser comprovada arqueologicamente, e acrescenta: "Eles só querem ganhar dinheiro com isso." Outros arqueólogos foram igualmente céticos.

Outro documentário foi lançado em 2007, produzido pelo diretor de cinema canadense James Cameron e o jornalista investigativo Simcha Jacobovici intitulado The Lost Tomb of Jesus (A tumba perdida de Jesus). O documentário alega que a tumba de Jesus é real e conta com o apoio de grande parte dos arqueólogos para tal conclusão. Como toda produção de James Cameron, foi um documentário muito forte, com muito investimento e com a aparência de ser real.

Em janeiro de 2008, foi realizado a Terceira Princeton Theological Seminary, tratando especificamente sobre o assunto. Tanto a revista Time como a CNN alarmaram dizendo que o caso tinha sido reaberto, dando ao público a impressão de que estudiosos respeitados agora levavam a hipótese colocada no documentário a sério. Ao saber disso, Amos Kloner e mais vários estudiosos assinaram uma carta aberta com uma nota de esclarecimento, com trechos como:

"A maioria das avaliações negativas de arqueólogos e outros cientistas e estudiosos que participaram foram excluídos dos relatos  finais. Em vez disso, a mídia tem apresentado as opiniões de Simcha Jacobovici, que produziu o polêmico filme e livro "The Lost Tomb of Jesus" com o diretor de Hollywood James Cameron, e que afirma que a sua identificação tem sido justificada pelos documentos de conferências. Nada mais longe da verdade pode ser deduzida a partir da discussão e apresentações que teve lugar em 13-17 janeiro de 2008.”

“Para concluir, queremos protestar contra a deturpação do processo de conferência nos meios de comunicação, e deixar claro que a maioria dos estudiosos presentes - incluindo todos os arqueólogos e epigrafistas que apresentaram trabalhos relacionados com o túmulo - rejeitaram a identificação da tumba de Talpiot como pertencente a família de Jesus ou que esta afirmação é altamente especulativa. Assinado, Professor Mordechai Aviam, da Universidade de Rochester, Professor Ann Graham Brock, Iliff School of Theology, Universidade de Denver Professor FW Dobbs-Allsopp, Seminário Teológico de Princeton Professor CD Elledge, Gustavus Adolphus Colégio Professor Shimon Gibson, da Universidade da Carolina do Norte em Charlotte Professor Rachel Hachlili, da Universidade de Haifa Professor Amos Kloner, Bar-Ilan University Professor Jodi Magness, da Universidade de Carolina do Norte em Chapel Hill Professor Lee McDonald, Arcadia Seminário Professor Eric M. Meyers, Duke University Professor Stephen Pfann, University of the Holy Land Professor Jonathan Price, da Universidade de Tel Aviv Professor Christopher Rollston, Emmanuel School of Religion Professor Alan F. Segal, Barnard College, Columbia University Professor Choon-Leong Seow, Princeton Theological Seminary Sr. Joe Zias, da Ciência e Antiquity Group, Jerusalém Dr. Boaz Zissu, da Universidade Bar-Ilan”

Amos Kloner também diz:"Os documentaristas estão usando para vender seu filme."

O site oficial do Archaeological Institute of America, a instituição mais antiga dedicada a arqueologia na América do Norte, traz uma série de incongruências na descoberta contradizendo totalmente o documentário, e declara:
“A identificação do túmulo Talpiyot como a tumba de Jesus e sua família se baseia em uma série de reivindicações problemáticas e infundadas...” 

O Washington Post relata que William G. Dever , que escava sítios arqueológicos em Israel por 50 anos, deu a seguinte declaração:
“É um golpe publicitário, e ele vai fazer esses caras muito rico, e isso vai perturbar milhões de pessoas inocentes, porque eles não sabem o suficiente para separar a realidade da ficção ".

Em outra matéria do Washington Post:
"O ponto da reivindicação atual é provar que o primeiro túmulo era de fato o túmulo de Jesus e sua família", diz Jodi Magness, especialista em judaísmo antigo da Universidade de Carolina do Norte em Chapel Hill. "Não há um pingo de evidência arqueológica e literária para apoiá-lo."

"Muitos cristãos ortodoxos e conservadores moderados vão ser perturbados pela imprudência desse(documentário)", disse Ben Witherington, um estudioso da Bíblia, no Seminário Teológico Asbury em Wilmore, Kentucky "Claro, nós queremos saber mais sobre Jesus, mas por favor, não insulte a nossa inteligência, dando-nos este tipo de coisa.”


CONCLUSÃO

O que me motivou a escrever esse texto e pesquisar sobre a Tumba de Talpiot, foi que esse achado foi usado em um debate contra mim para comprovar que Jesus não ressuscitou. Como vemos, os céticos não são tão céticos quando a informação condiz a eles.

Notamos também no texto, como os cineastas são desonestos para produzir documentários contra a fé cristã, uma dia desses foi produzido o mentiroso Zeitgeist, antes disso saiu o livro “O Código da Vinci” que também já foi usado em debates contra mim e por incrível que pareça, o debate foi na Universidade, dentro de sala de aula.

Cristãos, sejam simples como a pomba e astuto como a serpente para não cair nessas armadilhas.

Aqui tem um artigo em inglês sobre o assunto, para quem tiver mais curiosidade:
http://www.michaelsheiser.com/Jesus%20Tomb%20article%20Heiser.pdf

Por Francisco Tourinho